Página Inicial » Mundo Cristão

Em que caso a Bíblia permite o divórcio?

Pastor Silas Malafaia ensina que o casal, mesmo em caso de traição, precisa lutar para permanecer juntos.

por Leiliane Roberta Lopes


A coluna “Pastor Malafaia responde”, do site Verdade Gospel, abordou o assunto do divórcio explicando quais os casos onde a separação do casal é permitida de acordo com a Bíblia.

Malafaia escreve respondendo a pergunta de um internauta que questionou se na Lei de Moisés o divórcio era ou não permitido. “Não havendo infidelidade, o divórcio é ilegítimo, pois não põe fim ao vínculo do casamento”, disse.

“De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo.”

O pastor presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo deixa claro que o problema entre marido e mulher precisa ser resolvido, e que, para isso, deve haver esforço de ambas as partes para que o divórcio não aconteça.

“O divórcio deve ser empregado apenas em última instância”, ensina Silas Malafaia.

O texto também fala que não há base bíblica para impedir que o divorciado se case novamente. Nem mesmo o texto de Romanos 7. 1 a 3 diz sobre isso. O contexto [do texto de Romanos] não permite tal entendimento. “O objetivo do apóstolo Paulo era mostrar, especificamente aos judeus, a diferença entre a antiga e a nova aliança.”

Leia:

O padrão divino para o casamento é, segundo as palavras de Jesus, que seja indissolúvel (Marcos 10.9). Mas há uma larga diferença entre o ideal e o real. Logo, conhecendo a dureza do coração humano e seus problemas de relacionamento, Deus permitiu exceções ao Seu projeto inicial, especialmente em casos de violência doméstica, abusos emocionais e sexuais e casos contumazes de adultério.

Quando foi indagado a respeito de o divórcio ser ou não permitido segundo a Lei mosaica, Jesus explicou: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. Mateus 19.8,9

Não havendo infidelidade, o divórcio é ilegítimo, pois não põe ¬ m ao vínculo do casamento. Mas, o mesmo não se pode dizer quando o motivo é o adultério. No caso de simples repúdio por motivo fútil, o divórcio é ilegítimo aos olhos de Deus.

De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo.

Entretanto, isso não significa que o divórcio deva acontecer automaticamente quando o cônjuge comete adultério. Aqueles que descobrem que seu parceiro foi infiel devem primeiro fazer todo o esforço para perdoar, reconciliar-se e restaurar o relacionamento.

O divórcio deve ser empregado apenas em última instância, quando o adúltero não demonstrar arrependimento genuíno repetindo esse ato vil que abala a confiança do cônjuge, machuca-o e desestrutura o vínculo conjugal.

Algumas pessoas empregam Romanos 7.1-3 para respaldar uma posição contrária a um novo casamento em qualquer hipótese. Afirmam que o que traiu e o que foi traído estão ligados até a morte. O contexto não permite tal entendimento. O objetivo do apóstolo Paulo era mostrar, especificamente aos judeus, a diferença entre a antiga e a nova aliança.

Utilizar esse texto para condenar o divórcio em qualquer hipótese é ser mais duro do que Jesus. É obrigar a pessoa a conviver com o outro sem jamais poder divorciar-se, ainda que seja traída ou agredida repetida e continuamente.

Se a nova aliança condenasse alguém a esse tipo de jugo, não se faria superior em nada à antiga, já que a Lei mosaica, nesse sentido, seria mais humana, tolerante e justa. Os judeus não tinham o casamento como indissolúvel. Eles conheciam as exceções. Jesus as interpretou de forma mais eficaz e restrita.

SUGESTÕES DE LEITURA:

Marcos 10.1-12; Lucas 16.18; Romanos 7.3


Leia mais...


Comentários