Página Inicial » Internacional

Católicos são mais generosos que evangélicos e mais dispostos a compartilhar sua renda

Hipótese de Max Weber continua valendo ao comprovar que protestantes tem menos disposição que católicos em fazer uma maior distribuição de renda mundial

por Jarbas Aragão


Os católicos são mais propensos que os protestantes (ou evangélicos) a apoiar uma intervenção governamental na economia. Eles também têm uma maior disposição para partilhar as riquezas, afirma um estudo divulgado pelo do Banco Central Europeu (BCE).

A pesquisa também mostra que as teorias de Max Weber sobre a ética protestante do trabalho continuam sendo válidas hoje, comprovadas pelos resultados do estudo. Elas se aplicam mais amplamente do que se pensava, inclusive influenciando na escolha das instituições políticas e nas tentativas de se explicar a desigualdade de renda.

“Encontramos cidades de maioria protestante para expor claramente uma maior desigualdade de renda”, afirmam os coordenadores da pesquisa Christoph Batzen e Frank Betz.

Eles também afirmam que: “Quando comparado ao catolicismo, os seguidores do protestantismo tem menor disposição em ver uma redistribuição de renda e uma intervenção governamental na economia”.

Além disso, a pesquisa constatou que os escritos de Weber explicam melhor o desenvolvimento econômico do que os de Karl Marx, o pai do socialismo, que via a cultura meramente refletindo a ordem econômica.

‘A religião não é apenas o ópio do povo’, como afirmava Marx, mas pode, por sua própria força, alterar significativamente as preferências das pessoas, tanto em relação a si mesmas quanto em relação à sociedade, diz o estudo do BCE.

Weber publicou em 1904 o seu famoso livro “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”, onde afirmava que os protestantes são mais propensos a considerar o trabalho como caminho para a salvação e que incentivavam a acumulação de riqueza. O sociólogo atribuiu o surgimento do capitalismo aos ensinamentos do teólogo reformado João Calvino.

A pesquisa está disponível na página do BCE na internet, mas não é oficialmente endossado pelo banco. Ela vem na esteira de uma manifestação do Vaticano, que recentemente pediu reformas profundas da economia mundial e a criação de uma autoridade para regular os mercados financeiros.

No final de outubro, Pontifício Conselho para Justiça e Paz do Vaticano, presidido pelo cardeal Peter Turkson, propôs a criação de uma Autoridade Política Mundial e um Banco Central Mundial para favorecer “mercados livres e estáveis, disciplinados por um quadro jurídico adequado”.

Objetivo é fazer frente a atual crise econômica e financeira que abalou a Europa. Ele disse ainda que a crise financeira atual revelou comportamentos como “ganância, egoísmo coletivo e acumulação de bens em grande escala”, acrescentando que a economia mundial precisava de uma “ética da solidariedade” entre nações ricas e pobres.

(Para obter uma cópia em inglês do estudo, intitulado “Marx versus Weber: A religião afetar a política e a economia”, clique aqui)

Traduzido e adaptado por de Reuters


Leia mais...


Comentários