Página Inicial » Internacional

Igreja Mundial está na mira da justiça em Angola por envio ilegal de dinheiro ao Brasil

Fontes ligadas à igreja dizem que uma caravana de 20 pessoas entra cinco vezes por mês no país para levar o dinheiro arrecadado nos cultos

por Leiliane Roberta Lopes


O Banco Nacional de Angola (BNA) já fez várias notificações a Igreja Mundial do Poder de Deus sobre as transgressões cambiais que envolvem os líderes da IMPD em Luanda, capital angolana.

De acordo o jornal Agora da Angola, a IMPD do Brasil manda cerca de 20 pessoas mais de cinco vezes por mês para trazer cada uma US$ 15 mil dólares arrecadados nos cultos.

“Nosso país é um paraíso para os brasileiros. As caravanas com mais de 20 pessoas entram por mais de cinco vezes num só mês, levando 15 mil dólares permitidos por lei, mas a frequência no transporte destes valores por indivíduos da mesma organização devia merecer atenção das autoridades,” diz uma fonte ao jornal angolano.

A mesma fonte também afirma que parte do dinheiro arrecadado dos fiéis é desviado para outros países como Brasil, Portugal, África do Sul, Moçambique e Cabo Verde. “A igreja não tem nenhum compromisso social, não ajuda as autoridades nem a população, apenas aumenta a sua pobreza,” reclama a fonte.

“O pastor Valdemiro Santiago aparece na TV e chora, alegando não ter dinheiro, e os crentes, muitos deles empresários, chegam a doar de 20 a 30 mil dólares. Os valores são entregues em Kwanzas [moeda angolana] e são convertidos imediatamente a partir da residência do pastor JM, em Talatona,” relatou a fonte.

JM é a abreviação de Juliano Marques, o bispo responsável pelos trabalhos da Igreja Mundial do Poder de Deus em Angola.

A igreja fundada por Valdemiro Santiago está no país desde 2009 e nos últimos meses ganhou destaque na mídia local quando três pastores angolanos foram demitidos da denominação por denunciarem o desvio de US$ 3 milhões de dólares dos cofres da igreja por pastores brasileiros que estão na liderança.

Fonte: Gospel Prime

Com informações AngoNotícias


Leia mais...


Comentários