Página Inicial » Internacional

Papa Francisco é o anticristo, acusa pastor nigeriano

Debate dividiu católicos e evangélicos da Nigéria

por Jarbas Aragão


A Nigéria está acostumada a ver os muçulmanos ligados ao grupo extremista Boko Haram massacrarem os cristãos em um dos conflitos religiosos mais intensos do mundo. Mas desde ontem (29) o país está testemunhando uma outra guerra, entre cristãos dos segmentos católico e evangélico.

Durante um culto este mês, na Igreja de Deus em Ikeja, na capital Lagos, o pastor Chris Okotie chocou a congregação ao dizer que todos os católicos do mundo vão para o inferno quando morrerem porque eles são adoradores de Satanás. Também afirmou que eles são liderados por um papa que é o Anticristo e um amigo da Diabo.

O pastor Okotie atacou Francisco diretamente e disse que a Igreja Católica Romana é “uma igreja falsificada, criado por Satanás”. Para ele, a maior prova é que os católicos se curvam diante de ídolos ao invés de glorificar somente a Jesus.

“Eles não são cristãos e nunca foram”, insistiu Okotie. “Eles não conhecem a Jesus. Acreditam que quando comem a hóstia aos domingos, estão comendo o corpo de Jesus. É um ritual.”

Anunciou ainda que é uma questão de tempo até que o papa Francisco revele-se o Anticristo e faça a Igreja Católica declarar lealdade completa ao Diabo. Afirmou que o Papa João Paulo II havia consagrado o mundo à imagem de Maria, mãe de Jesus, e que o papa Francisco fez a mesma coisa, tentando tirar a glória de Jesus Cristo.

Insistiu que era óbvio que os católicos não servem ao mesmo Cristo que é pregado na Bíblia. Acrescentou que os católicos não temem sequer ir para o inferno, por isso inventaram o purgatório. No final, apelou para que os fiéis ajudassem a salvar os católicos, anunciando-lhes o verdadeiro evangelho.

Bastante famoso na Nigéria, Okotie, 55, é um ex-cantor de sucesso que se converteu 30 anos atrás. Tem anunciado frequentemente nos últimos anos que Deus o ungiu para ser presidente da Nigéria. Mas ele já se envolveu com a política, concorrendo ao cargo duas vezes. Perdeu ambas. Atualmente lidera uma megaigreja. É mal visto por segmentos evangélicos porque prega o chamado “evangelho da prosperidade” e já se divorciou duas vezes. Alegando já ter sido ameaçado, anda sempre com seguranças armados ao seu lado, até mesmo quando está pregando no púlpito de sua igreja.

A Nigéria tem cerca de 20 milhões de católicos. Um de seus líderes mais influentes, o bispo Hillary Odilichukwu Okeke, afirmou que Okotie não é “ninguém” para criticar a igreja católica. Afirmou estar ofendido pelas suas palavras, mas assegurou que os católicos não têm nada a temer, pois estão “fazendo a obra de Deus há dois mil anos… muito já foi dito e ainda será dito para ofender a Igreja, mas ela continua crescendo… Nós fazemos a vontade de Deus e somos perseguidos por isso… Tudo que fazemos é em memória de Jesus Cristo e estão ensinadas no Livro Sagrado”.

Após todas essas acusações, a mídia e as redes sociais refletiram a grande polêmica. Ocorreu uma onda de ataques entre católicos e evangélicos. Procurado, o bispo Okeke afirmou esta semana que gostaria apenas que em 2014 o país tivesse mais paz. Neste domingo, o cardeal Anthony Okogie, que foi arcebispo de Lagos, saiu em defesa da Igreja Católica e do papa. Afirmou “É sempre bom falar sobre o que você conhece, não daquilo que você não conhece. O problema que temos hoje é que um monte de gente abre a boca para falar do que não lhes diz respeito… Acredito que a melhor coisa a fazer é sempre abrir a boca quando Deus mandar, caso contrário atrairá para si uma desgraça”.

O pastor Okotie afirmou apenas que mantém suas declarações. Alguns meses atrás, as “revelações” de uma jovem chamada Linda Ngaujah causou uma controvérsia que dividiu opiniões em Sierra Leone, outro país africano. Sua afirmação mais polêmica é que todos os católicos e muçulmanos vão para o inferno. Com informações de Nigéria Metro e Christian Post.

 


Leia mais...


Comentários