Página Inicial » Brasil

Segundo debate sobre o homossexualismo no Ratinho com Silas Malafaia

O pastor Silas Malafaia esteve no Programa do Ratinho (SBT) nesta quarta-feira (24/03) e debateu novamente sobre a possível aprovação...

por Neto Gregório


O pastor Silas Malafaia esteve no Programa do Ratinho (SBT) nesta quarta-feira (24/03) e debateu novamente sobre a possível aprovação do PL 122/2006. Após discutir o assunto com a autora do projeto, a ex-deputada federal Iara Bernardes, no programa do dia 24 de fevereiro, o grupo GLST (Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transexuais) não achou satisfatória a participação dela como porta-voz dos homossexuais e pediu um direito de resposta; desta vez com a presença do transexual Rosana Star, ex-paquito.

O projeto de lei 122/2006 define como crime qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo.


Leia mais...


Comentários

Comentários

  1. Elainematheusgabriela Tomaz

    amei o que o pastor falou no programa do ratinho, claudio Duarte e tudo verdade amem.

  2. Francisco Chagas

    Transparência na gestão das igrejas evangélicas. A transparência na gestão eclesiástica deve partir do pressuposto de que os recursos colocados à disposição dos gestores devem ser informados sistematicamente, através de canais de comunicação transparente e de livre acesso por parte de seus financiadores. Além disso, espera-se que os recursos sejam bem aplicados, para isso se faz necessário um sistema de controle que possa monitorar os resultados obtidos, permitindo, desta forma, verificar se a aplicação desses recursos atingiu seu objetivo. Isso não acontece nas Igrejas, que o modelo de governo Eclesiástico é o “Episcopal”, em que o líder é absoluto, estilo do “PAPA”; não podem ser questionados em nada, fazem o querem com o dinheiro dos dízimos e ofertas, não prestam contas aos membros através de relatórios etc. As Igrejas Batistas usam o modelo de Governo Congregacional, os Presbiterianos e a Igreja Maranata, usam o modelo de Presbitério, que são bem mais democráticos, e mesmo assim acontecem desvios. Os escândalos que a Mídia, tem noticiado de alguns anos para cá, envolvem os líderes de Igrejas Pentecostais e Neopentecostais, que usam o governo Episcopal.
    Minha pergunta é: 1) transparência na gestão de Igrejas, 2) liberdade de expressão, por parte dos membros dessas Igrejas, para cobrar deslizes de seus líderes.
    Obs : Os grandes líderes (Pastores, Apóstolos e Bispos), são normalmente subjugados as Convenções de Igrejas, mas não adianta de nada, a corrupção entre eles é muito grande e fica tudo encoberto.