Página Inicial » Brasil

Suposta vítima de estupro inocenta pastor Marcos Pereira

A mulher resolveu gravar um depoimento dizendo que foi aconselhada a acusar o religioso, mas que está arrependida

por Leiliane Roberta Lopes


O canal de vídeos da igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD) divulgou um depoimento de uma das mulheres que denunciaram o pastor Marcos Pereira por estupro. Identificada como Elisângela, a mulher nega o abuso e diz que está arrependida de ter prestado falso testemunho.

No vídeo Elisângela relata que foi procurada pelo ex-pastor da denominação, Rogério Menezes, e por outro homem identificado como Alex, possivelmente o advogado do pastor. Eles a convenceram a fazer acusações contra Marcos Pereira.

“Eu venho aqui de livre e espontânea vontade para desmentir tudo o que eu depus na DCOD contra o pastor Marcos”, disse ela que foi encontrada pelos dois homens em Macaé, onde ela trabalha.

Ela aceitou depor por estar chateada com algumas irmãs da ADUD, com quem ela tinha tido alguns desentendimentos. “Eu queria me vingar”, confessou. “Eu estava preocupada [com o que ela iria fazer na delegacia], mas eu aceitei”.

Elisângela disse que foi acompanhada por Rogério e Alex até a Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) e que foi orientada por eles a dar um depoimento convincente para que a polícia acreditasse na denúncia.

A mulher diz também que se arrependeu do que fez ao ver que o pastor foi preso. “Quando eu vi o pastor dentro do presídio e disse: ‘Não é justo que o servo de Deus esteja pagando o preço por uma coisa que ele não cometeu’”.

 

Assista:

 

Entenda o caso

Marcos Pereira foi preso na noite do dia 7 de maio pelo DCOD que cumpriu dois mandatos de prisão expedidos pela justiça. Cinco mulheres haviam denunciado que foram abusadas sexualmente pelo religioso, como os crimes supostamente aconteceram antes de 2009, a lei brasileira não permite que todos eles sejam apurados.

Por conta disto apenas dois casos seguem em investigação, pois além da violência sexual, as testemunhas relatam violência física.

A defesa do pastor diz que as acusações são falsas e que não há provas contra Pereira que segue preso de penitenciária de Bangu 2, na zona Oeste do Rio.