Página Inicial » Israel

“Terceiro templo” de Salomão pode ser construído em 2013

Partido de Benjamin Netanyahu estaria por trás da iniciativa

por Jarbas Aragão


Caso o partido Likud, liderado pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, vença as eleições no início do próximo ano, o mundo poderá ver surgir um “Terceiro templo” de Salomão.

Funcionários da Fundação Al Aqsa alertaram para essa possibilidade de que a atual mesquita seja demolida e seu terreno invadido pelo governo de Israel. A “denúncia” veio após as primárias para a eleição de 22 de janeiro apontar para o favoritismo da ala ortodoxa judaica liderada por Moshe Feiglin para o Knesset (Parlamento de Israel).

Os candidatos mais conservadores, especialmente os ligados ao lobby dos colonos, dizem acreditar em uma eleição sem dificuldades.

O líder do lobby dos colonos, Moshé Feiglin, aparece na 14ª posição da lista dos candidatos do Likud para as legislativas de janeiro, à frente da ministra da Cultura, Limor Livnat, 17ª.

Os candidatos mais moderados, como o vice-premier Dan Meridor e os ministros Benny Begin e Michael Eitan, mostraram estar enfraquecidos no partido.

Um dos motivos para isso é a posição os candidatos do Likud sobre a criação de um Estado palestino. A trégua concluída por Netanyahu na quarta-feira, após oito dias de bombardeio contra a Faixa de Gaza, certamente influenciou a decisão dos eleitores da direita.

Atualmente, a mídia mundo árabe continua denunciando o que chama de “invasões dos judeus” ao chamado Monte do Templo. Até hoje os muçulmanos proíbem os judeus de entrar no local para fazer orações ou carregar outros artigos sagrados.

A Autoridade Palestina e o ramo islâmico do chamado “Movimento da Galileia” alegam que Israel está cavando secretamente por baixo do Monte do Templo para causar o seu colapso.

A Fundação Al Aqsa, nome da mesquita que se encontra no local onde a Bíblia aponta que ficava o Templo de Salomão original, teme que um novo governo de direita contamine o Monte do Templo. Segundo o jornal online Israel National News, membros da Fundação dizem que às vésperas da eleição o primeiro-ministro Netanyahu irá anunciar os planos de construção do Terceiro Templo, que eles chamam de “falso”. Para a maioria dos muçulmanos, nunca houve naquele local o Primeiro e Segundo Templo sagrado para os judeus.

Eles agora fazem um apelo ao mundo muçulmano, alegando que “a mesquita de Al-Aqsa está em perigo e os muçulmanos fiéis devem assumir a responsabilidade de salvá-la”, invocando a tradição que considera o local sagrado para o Islã.

Feiglin é conhecido por seu desejo de retomar o Monte do Templo, e depois da operação Coluna de Nuvem, de combate ao terrorismo, escreveu: “Devemos expulsar os muçulmanos do Monte do Templo e restaurar a soberania israelense exclusiva. O Monte é o local mais sagrado do judaísmo. Devemos encorajar os judeus a subir o Monte do Templo, após os preparativos adequados de purificação e retomar sua soberania sobre o coração da nação judaica”.

Em agosto deste ano, o deputado nacionalista Zevulun Orlev defendeu a aprovação de uma nova “Lei Básica” que garantiria o financiamento e a mão de obra necessária, para construção do Terceiro Templo. Ele publicou um artigo no semanário hebraico Olam Katan, com o título de “Reforma Interna e Legislativa”, defendendo que o Templo deve ser reconstruído em Jerusalém e que eram necessárias “mudanças fundamentais” na sociedade e no governo israelenses para que o projeto tenha sucesso.

O deputado reconheceu que para remover o ”impedimento religioso e político” de seu plano, ou seja, a presença da mesquita de Al-Aqsa e o Domo da Rocha no topo do chamado Monte do Templo, resultaria no enfrentamento dos cerca de um bilhão de muçulmanos do mundo certamente numa possível nova guerra mundial.


Leia mais...


Comentários