MENU

Aiatolá Khamenei pede união de países muçulmanos para “derrotar Israel”

Declarações são resposta ao pretenso apoio da Arábia Saudita


Ali Khamenei, líder supremo do Irã. (Foto: Reuters).
Ali Khamenei, líder supremo do Irã. (Foto: Reuters).

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, pediu na noite desta quarta-feira que os países muçulmanos se unam para derrotar Israel. “Com uma luta intensa e planejada, eles deveriam repelir o inimigo até o ponto da aniquilação, através de uma ação estratégica e forte”, disse em uma carta dirigida ao líder da organização palestina Hamas, Ismail Haniyeh, publicada em seu site pessoal.

Para Khamenei, é necessária a “intensificação na luta contra o regime sionista”, como chama Israel, e classificou qualquer negociação com este país de “erro imperdoável” e prejudicial para a causa palestina. Mesmo sem citar nomes, a declaração é vista com uma resposta ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, que defendeu o direito dos israelenses em viver em paz em suas próprias terras.

Leia mais

O líder supremo – que controla ao mesmo tempo as questões políticas e religiosas do Irã – escreveu ainda: “Reiteramos nossa posição perpétua da República Islâmica Iraniana em relação à questão da Palestina”.

Insistiu ainda que “a resistência é a única forma de liberar a Palestina oprimida”, reiterando que o apoio a essa causa era “um dever religioso”.

Horas mais tarde usou o Twitter para mais declarações sobre o assunto. “A questão da Palestina está no topo da agenda internacional do islã em face da frente arrogante”, conclamou.

O discurso de Khamenei não é novidade, mas reforça a divisão existente entre os principais ramos do islamismo. A Arábia Saudita (sunita) disputa o poder no Oriente Médio com o Irã (xiita). Teerã e Riad apoiam lados opostos nos conflitos no Iêmen e na Síria, além de grupos políticos rivais no Iraque e no Líbano.

Em outra carta aberta ao Hamas, tinha dito que havia “conspiração e hipocrisia de alguns países árabes, seguindo o Grande Satã (EUA)”.

Além das críticas externas, o Irã está agindo politicamente. Após os conflitos das forças israelenses com os palestinos que tentavam invadir a fronteira, deixando 18 mortos, o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, denunciou perante as Nações Unidas e o Movimento de países Não-Alinhados o que chama de “crimes perpetrados por Israel contra Gaza”. Com informações YNet News



Assuntos: , ,


Deixe seu comentário!

Mais notícias