MENU

Artista que pintou Cristo decapitado diz que imagem “simbolizava o diabo”

Mural no Instituto Goethe de Porto Alegre amanhece com a mensagem “Ele ressuscitou”


Ele ressuscitou.
Ele ressuscitou.

O renomado Instituto Goethe, de Porto Alegre, desde o final de abril está com a exposição de arte “Pixo/Grafite: Realidades Paralelas”. Entre as obras assinadas por Rafael Augustaitiz e Amaro Abreu, uma delas gerou grande polêmica.

No muro externo foi feita uma pintura representando Jesus Cristo com a cabeça decapitada, em cima de uma bandeja. Para muitos moradores da cidade e pessoas que tomaram conhecimento da imagem pela internet, trata-se de blasfêmia.

Leia mais

O Goethe tentou minimizar as críticas através de uma nota, onde reclama das “mensagens de ódio” por causa da imagem de Jesus decapitado, alegando que “Em nenhum momento foi intenção do projeto ou do Instituto ofender sentimentos religiosos. Respeitamos todas as crenças, manifestações e liberdade de expressão”.

Porém, acabou desmentido pelo autor da pintura. Falando ao jornal Zero Hora, Augustaitiz explicou que seu trabalho critica, sim, a religião. Ele descreveu a obra como “Teolorgia 171”, que seria uma mistura de teologia com o artigo 171 do Código Penal, que prevê o estelionato.

Sem pudor, asseverou que a cabeça de Jesus Cristo, vermelha e com olhos amarelos, mostrava sua transformação em um demônio. “Deus, ao ser decapitado, virou Diabo”, filosofa.

Apesar do seu descaso para com a fé alheia, na madrugada de terça-feira (1º), a cabeça de Jesus foi apagada com tinta preta por um desconhecido, que pichou por cima: “Ele ressuscitou”.



Assuntos: , ,


Deixe sua opinião!

Mais notícias