MENU

Ataque de Haddad a Macedo é discriminação contra todos os evangélicos

Centenas de líderes religiosos repudiam tentativa do PT de provocar "guerra religiosa"


Fernando Haddad
Fernando Haddad. (Foto: Reprodução / Facebook)

Um movimento que une centenas de lideranças evangélicas de diferentes linhas está repudiando a tentativa do PT de provocar uma “guerra religiosa”. Após o ataque de Fernando Haddad (PT) contra o bispo Edir Macedo, 147 representantes de denominações de todo o país assinando uma carta de apoio à Igreja Universal do Reino de Deus.

Na sexta-feira (12), após participar de uma missa em uma igreja católica em São Paulo, o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) criticou o apoio dado por Macedo à candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). Chamando o bispo de ser um “charlatão fundamentalista”, insistiu que o apoio era provocado pela “fome de dinheiro”.

Leia mais

Estevam Hernandes, fundador da Renascer em Cristo, acredita que a declaração de Haddad foi um ataque contra todos os evangélicos. “Essa fala inconsequente demonstra a intolerância, e nós que cremos no amor, na tolerância, a repudiamos com veemência. Ela é inaceitável no momento que estamos passando, lutando para preservar a democracia no País, onde todas as crenças e ideologias precisam ser respeitadas”, assegurou.

Quem também mostrou indignação foi o fundador do Ministério Sara Nossa Terra, Bispo Robson Rodovalho. “É lamentável ver o PT, mais uma vez, discriminar os evangélicos e ainda semear a divisão entre as igrejas. Estamos em um país democrático, onde temos liberdade de escolha”, asseverou.

O pastor Galdino Júnior, das Assembleia de Deus Ministério Santo Amaro, que reúne mais de 800 igrejas, também opinou. “Acho inadmissível a fala do candidato do PT […] mostra claramente sua leviandade para atacar todas as instituições evangélicas que há muitos anos vêm realizando um trabalho social que é dever do governo. É um desequilíbrio notável para um homem que pleiteia o cargo mais importante do país.”

Outro que rejeita a tentativa de promoção de uma guerra religiosa é o pastor Edson Rebustini, presidente do Conselho de Pastores de São Paulo. “Católicos e evangélicos estão unidos em favor da família e contra a máquina de corrupção que o PT criou para financiar seu projeto de poder”, destacou

Veja aqui a relação das lideranças que assinaram carta de apoio ao bispo Edir Macedo e à Universal.



Assuntos: , ,


Deixe sua opinião!

shopping