Bandeira da União Europeia foi inspirada no Apocalipse

Inspiração do símbolo, estátua de Nossa Senhora de Fátima visitará o Parlamento da UE.


Bandeira da União Europeia foi inspirada no Apocalipse

As 12 estrelas na bandeira da União Europeia (UE) são uma homenagem à Virgem Maria adorada pelos católicos. Mesmo assim, hoje (23) foi sua primeira “visita” à sede política da EU. Uma estátua da Virgem Maria foi levada para a catedral de Estrasburgo, cidade francesa que abriga o edifício do Parlamento Europeu.

Lorenzo Fontana e Mario Borghezio, dois dos deputados italianos no Parlamento, dizem que a chegada da imagem de Nossa Senhora de Fátima ali é “um evento único.” “Poucas pessoas sabem que o símbolo da Europa unificada tem origens no culto à Maria, como prova a bandeira oficial da União Europeia, com suas 12 estrelas e as cores azul e branco do manto da Virgem”.

Os dois deputados, por outro lado, lamentam que a Europa se desviou perigosamente da fonte original do seu símbolo, pois a grande maioria do 500 milhões de cidadãos europeus parou de defender os valores cristãos.

Fontana e Borghezio apresentaram uma declaração por escrito pedindo apoio dos fieis para que Nossa Senhora de Fátima possa “salvar a Europa e o mundo, e garantir paz e prosperidade”. O padre Nicholas Gruner, fundador da Associação de Nossa Senhora de Fátima, uma organização sem fins lucrativos, apresentou a proposta ao Parlamento Europeu.

Mario Mauro, líder do Partido da Liberdade italiano, um dos grupos políticos que fazem partido Partido Popular Europeu, lembra que a bandeira da União Europeia possui 12 estrelas douradas que formam um círculo sobre um fundo azul. Ele explica que o número de estrelas nada tem a ver com o número de países que originalmente formaram a EU, pois eram 15, mas trata-se de um antigo símbolo numérico que representa harmonia e solidariedade.

A bandeira criada pelo designer francês católico Arsène Heitz ganhou uma competição para a escolha do símbolo maior da UE. O simbolismo da bandeira é uma clara imagem de devoção mariana, que aparece no início do capítulo 12 do Livro do Apocalipse: “E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça”.

O presidente da comissão julgadora era um judeu belga que se convertera ao catolicismo e foi bastante sensível ao simbolismo do número 12. Na simbologia bíblica, este número lembra completude e perfeição: são 12 tribos de Israel, 12 meses do ano, 12 apóstolos… O círculo de estrelas também é encontrado nas moedas e notas de euro.

Heitz relata que se inspirou na “Medalha Milagrosa” que ele usava no pescoço. Trata-se de uma medalha que homenageia a aparição da Virgem Maria a Santa Catarina de Labouré em 1830. Foi a Virgem Maria quem pediu que a freira colocasse as 12 estrelas na medalha, uma representação das estrelas da coroa usada pela mulher mencionada em Apocalipse. Santa Bernadette Soubirous também usava um colar similar quando a Virgem Maria apareceu para ela em 11 de fevereiro de 1858, vestida de branco e azul.

Arsène Heitz só revelou a origem bíblica do símbolo depois de a bandeira ter sido adotada oficialmente pelo Conselho Europeu em 1955. Mas ele insiste que o número 12 foi utilizado para simbolizar a sabedoria antiga, sendo “um símbolo de perfeição”. Esta interpretação e o número foram confirmados pelo tratado constitucional europeu.

Curiosamente, desde 1949, o Conselho da Europa, primeira versão do que hoje é a EU, procurava um símbolo. O órgão propôs a adoção da bandeira Pan-Europeia, criada em 1923, que consistia em um fundo azul com uma cruz vermelha dentro de um círculo amarelo. No entanto, os países membros rejeitaram a ideia justamente por acreditar que a cruz tinha implicações religiosas.

Traduzido de Lastampa




Deixe seu comentário!