MENU

Netanyahu revela provas do “plano nuclear” do Irã

Israel diz ter mais de 100 mil arquivos que provam as mentiras de Teerã


Benjamin Netanyahu
Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, fez um anúncio bombástico na noite desta segunda-feira (30) na televisão de Israel, com transmissão também pelo Youtube. Ele revelou que seu país possui mais de 100 mil arquivos sobre a situação do programa nuclear iraniano.

O anúncio desmascara as mentiras que Teerã tem contado desde o acordo firmado sob a liderança de Barack Obama, em 2015. Desde que assumiu o governo, Donald Trump vem mostrando sua insatisfação com os termos do programa, já que o Irã não deu provas contundentes que iria parar com seus projetos de possuir uma bomba nuclear.

Leia mais

Embora a maioria dos aliados europeus de Washington peça que os EUA não abandonem o acordo com o Irã, Israel sempre se posicionou contra o acordo e agora expos publicamente o que realmente acontece na terra dos aiatolás.

Dia 29 de abril, Netanyahu teve uma conversa telefônica com o presidente Trump. A Casa Branca admitiu que “ambos os líderes discutiram as ameaças e desafios que a região do Oriente Médio enfrenta, especialmente os problemas impostos pelas atividades desestabilizadoras do regime iraniano”.

Arquivo Atômico
Arquivo Atômico. (Foto: Reprodução / Youtube)

Em 12 de maio os EUA devem fazer um anúncio oficial sobre qual será sua posição em relação ao Irã daqui para a frente, podendo inclusive se retirar do acordo e reiniciar as sanções.

O material mostrado por Netanyahu, chamado de “Arquivo Atômico”, mostra como a Agência de Inteligência de Israel, o Mossad, teve acesso a detalhes de como Teerã continua com planos para desenvolver usinas nucleares, a obtenção de tecnologia de enriquecimento de urânio, como fazer testes nucleares.

A maioria das informações apresentadas hoje contradizem as afirmações públicas do governo iraniano, que constantemente nega continuar com o programa de armamento nuclear.

“Um grande mentira”

Netanyahu disse que, apesar das negativas do Irã sobre a produção de armas nucleares à agência da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), os arquivos agora revelados mostraram que o Irã “autorizou, iniciou e financiou o Projeto Amad”.

“O que eu mostrei para vocês hoje é apenas uma fração de todo o material que temos. Somente com essa fração já é possível tirar quatro conclusões principais. Primeiro: o Irã mentiu sobre nunca ter um programa de armas nucleares. Segundo: Mesmo após o acordo, o Irã continuou a preservar e expandir seu know-how nuclear para uso futuro. Terceiro: O Irã mentiu novamente em 2015, quando não foi questionado pela pela AIEA. E quarto, O acordo nuclear é baseado em uma grande mentira. Estes 100.000 arquivos aqui provam que eles mentiram ”.

Repetindo suas críticas anteriores ao acordo, o premiê israelense disse que o acordo de 2015 ofereceu ao Irã um “caminho claro” para o enriquecimento de urânio e não abordou seu programa de mísseis ou suas ambições nucleares.

O Irã tentou esconder da comunidade internacional o que estava fazendo e transferir seus arquivos em um armazém aparentemente inocente. Contudo, o Mossad conseguiu chegar no local, fotografar e copiar os dados.

Netanyahu declarou acreditar Donald Trump será sábio e tomará a decisão correta sobre o acordo de não proliferação nuclear que está prestes a vencer e precisaria ser renovado. Encerrou dizendo ter certeza que Trump “fará a coisa certa para os Estados Unidos, para Israel e para a paz mundial”. Com informações Times of Israel  e Café Torah



Assuntos: , ,


Deixe seu comentário!


Mais notícias