Em que caso a Bíblia permite o divórcio?

9/04/2013 - 18:46

Em que caso a Bíblia permite o divórcio?

Pastor Silas Malafaia ensina que o casal, mesmo em caso de traição, precisa lutar para permanecer juntos.


A coluna “Pastor Malafaia responde”, do site Verdade Gospel, abordou o assunto do divórcio explicando quais os casos onde a separação do casal é permitida de acordo com a Bíblia.

Malafaia escreve respondendo a pergunta de um internauta que questionou se na Lei de Moisés o divórcio era ou não permitido. “Não havendo infidelidade, o divórcio é ilegítimo, pois não põe fim ao vínculo do casamento”, disse.

“De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo.”

O pastor presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo deixa claro que o problema entre marido e mulher precisa ser resolvido, e que, para isso, deve haver esforço de ambas as partes para que o divórcio não aconteça.

“O divórcio deve ser empregado apenas em última instância”, ensina Silas Malafaia.

O texto também fala que não há base bíblica para impedir que o divorciado se case novamente. Nem mesmo o texto de Romanos 7. 1 a 3 diz sobre isso. O contexto [do texto de Romanos] não permite tal entendimento. “O objetivo do apóstolo Paulo era mostrar, especificamente aos judeus, a diferença entre a antiga e a nova aliança.”

Leia:

O padrão divino para o casamento é, segundo as palavras de Jesus, que seja indissolúvel (Marcos 10.9). Mas há uma larga diferença entre o ideal e o real. Logo, conhecendo a dureza do coração humano e seus problemas de relacionamento, Deus permitiu exceções ao Seu projeto inicial, especialmente em casos de violência doméstica, abusos emocionais e sexuais e casos contumazes de adultério.

Quando foi indagado a respeito de o divórcio ser ou não permitido segundo a Lei mosaica, Jesus explicou: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério. Mateus 19.8,9

Não havendo infidelidade, o divórcio é ilegítimo, pois não põe ¬ m ao vínculo do casamento. Mas, o mesmo não se pode dizer quando o motivo é o adultério. No caso de simples repúdio por motivo fútil, o divórcio é ilegítimo aos olhos de Deus.

De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo.

Entretanto, isso não significa que o divórcio deva acontecer automaticamente quando o cônjuge comete adultério. Aqueles que descobrem que seu parceiro foi infiel devem primeiro fazer todo o esforço para perdoar, reconciliar-se e restaurar o relacionamento.

O divórcio deve ser empregado apenas em última instância, quando o adúltero não demonstrar arrependimento genuíno repetindo esse ato vil que abala a confiança do cônjuge, machuca-o e desestrutura o vínculo conjugal.

Algumas pessoas empregam Romanos 7.1-3 para respaldar uma posição contrária a um novo casamento em qualquer hipótese. Afirmam que o que traiu e o que foi traído estão ligados até a morte. O contexto não permite tal entendimento. O objetivo do apóstolo Paulo era mostrar, especificamente aos judeus, a diferença entre a antiga e a nova aliança.

Utilizar esse texto para condenar o divórcio em qualquer hipótese é ser mais duro do que Jesus. É obrigar a pessoa a conviver com o outro sem jamais poder divorciar-se, ainda que seja traída ou agredida repetida e continuamente.

Se a nova aliança condenasse alguém a esse tipo de jugo, não se faria superior em nada à antiga, já que a Lei mosaica, nesse sentido, seria mais humana, tolerante e justa. Os judeus não tinham o casamento como indissolúvel. Eles conheciam as exceções. Jesus as interpretou de forma mais eficaz e restrita.

SUGESTÕES DE LEITURA:

Marcos 10.1-12; Lucas 16.18; Romanos 7.3



Leia mais...

Michel Temer recebe oração de Silas Malafaia

Michel Temer recebe oração de Silas Malafaia

Casamento dentro de hospital realiza sonho de paciente

Casamento dentro de hospital realiza sonho de paciente

Malafaia sinaliza

Malafaia sinaliza "reaproximação" com Edir Macedo

Malafaia critica participação de Zé de Abreu no Faustão

Malafaia critica participação de Zé de Abreu no Faustão


Comentários

Deixe um comentário

2 Comentários em "Em que caso a Bíblia permite o divórcio?"

avatar

Ordenar por:   novos | antigos | mais votados
adriano
adriano
1 dia 6 horas atrás

claro que nao pode continuar sendo pastor ,de forma nenhuma.
mas, nao podemos tocar em um contituido por DEUS
Deus com certeza esta vendo toda essa malandragem desse sacana
mas por ter outros lideres ,Deus espera que alguem se manifeste e que faça o que jesus faria.

taty
taty
1 ano 16 dias atrás

o pastor da igreja que eu frequentava adulterou com varias ovelhas da igreja ,,,ele pode continuar sendo pastor ,,ele é casado,

wpDiscuz