Boticário promove homoafetividade e sofre boicote de evangélicos

Comercial da empresa é rejeitado no Youtube


Boticário promove homoafetividade em comercial

A nova campanha dos cosméticos O Boticário está no ar a menos de uma semana, mas é um dos assuntos mais comentados na mídia. O motivo é a suposta ousadia da marca, que decidiu promover o dia dos namorados mostrando casais hetero e homossexuais se presenteando com seus produtos.

A polêmica está em alta na internet, o que é sempre um termômetro do que pensam os brasileiros. O canal oficial da marca no Youtube mostra que o comercial já foi exibido cerca de 700 mil vezes. Mais de 133 mil usaram o botão “não gostei” até a noite do dia 1º de junho.

Existe uma grande quantidade de comentários que demonstram insatisfação com o teor do comercial. Alguns usaram a hashtag #TapaNaCaraDaFamíliaTradicional, enquanto vários optaram por afirmar que boicotarão a marca a parir de agora.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


Os debates acalorados, típicos da sessão de comentários na internet, demonstra que existe uma espécie de campanha dos dois lados. A maioria parece ter se sentido incomodada e defende a família no modelo bíblico ou tradicional, como é mais comumente chamada. Um índice considerável se identifica como “cristão” e “evangélico”.

Contudo, uma série de postagens deixa claro que se o objetivo da marca era promover a homoafetividade, conseguiu fazer isso. O comentário mais longo do Youtube é uma espécie de carta aberta de agradecimento, assinada por Toni Reis.

Ele é o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), que já tentou impedir que programas evangélicos sejam exibidos na TV brasileira.

Chama atenção o fato que o site “Reclame aqui”, de defesa do consumidor, tenha recebido oito queixas diferentes contra O Boticário. O tom dos usuários é de quem se sentiu desrespeitado, independentemente de sua religião.

Nas redes sociais existem centenas de mensagens sobre o assunto, muitas dando conta que existe uma “corrente” feita por evangélicos para, além de clicar no ‘não gostei’ no vídeo do Youtube, também deixe de consumir a marca.

Não existe ainda no Brasil nenhum caso conhecido que uma empresa voltou atrás em seu posicionamento por causa de reclamações dos evangélicos, mas toda vez que surgem essas campanhas o resultado é visível.

A resposta padrão que a marca está postando nas redes é a seguinte: “O Boticário acredita na beleza das relações, presente em toda sua comunicação. A proposta da campanha ‘Casais’, que estreou em TV aberta no dia 24 de maio, é abordar, com respeito e sensibilidade, a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor? Independentemente de idade, raça, gênero ou orientação sexual – representadas pelo prazer em presentear a pessoa amada no Dia dos Namorados. O Boticário reitera, ainda, que valoriza a tolerância e respeita a diversidade de escolhas e pontos de vista.”

Aparentemente, a marca não teme que ocorra, de fato, uma queda nas vendas.

Assista:




Deixe seu comentário!