Chineses são obrigados a trocar imagens de Cristo por Xi Jinping

Autoridades afirmam que Deus não irá salvar os pobres; o governo sim


Chineses são obrigados a trocar imagens de Cristo por Xi Jinping

Milhares de cristãos do sudeste da China foram ordenados pelo governo a substituir as imagens de Jesus Cristo e outras figuras religiosas por fotografias do presidente chinês Xi Jinping. Essa seria uma condição para continuarem ganhando assistência em programas de saúde e combate à pobreza.

O jornal South China Morning Post reportou que a ordem das autoridades chinesas de exaltarem Jinping de uma maneira religiosa remete à política do “culto à personalidade”, em vigência durante o regime comunista do presidente Mao Zedong. O “camarada Mao” como era conhecido, foi o fundador da República Popular da China. Sua imagem está presente até hoje nas notas de dinheiro que circulam no país e é reverenciada em todos os desfiles militares.

Com o mandato recentemente renovado até 2020 pelo partido comunista, já que o regime da China não prevê eleições, Xi anunciou que seu objetivo é acabar com a pobreza. Por isso, chama atenção que funcionários do governo visitam famílias cristãs pobres e tentam convencê-las a se adequarem às políticas do Partido Comunista como forma de resolver seus problemas materiais.

Qi Yan, presidente do Congresso do Povo da cidade de Huangjinbu, justificou assim a iniciativa do governo: “Muitas famílias mergulharam na pobreza por causa da doença na família. Alguns recorriam Jesus, acreditando que ele poderia curar essas doenças. Tentamos dizer-lhes que ficar doente é um algo físico e somente o Partido Comunista e o Secretário Geral Xi realmente podem ajudá-los”. Na sequência, Qi também chamou os cristãos de “ignorantes” por acreditar que Deus irá salvá-los.

Para indicar o sucesso da iniciativa, mencionou que o município de Huangjinbu distribuiu mais de 1.000 retratos de Xi, e várias famílias concordaram em pendurá-los em suas casas. Segundo foi divulgado, em Huangjinbu existem cerca de 6.000 famílias cristãs conhecidas.

Um morador de município de Yugan, na mesma província, revelou que as autoridades também estão exortando os crentes a remover artefatos religiosos de suas casas. “Algumas famílias colocaram cartazes com trechos do evangelho nas portas da frente, alguns penduram imagens da cruz. Mas todos foram tirados”, revelou o homem, que não quis ter o nome revelado. Ele acrescentou que alguns crentes não o fizeram voluntariamente.

“Todos eles têm sua crença e, é claro, eles não queriam tirá-los. Mas não há saída. Se eles não concordarem, não receberão o fundo de alívio da pobreza”, revelou.

A tendência do partido é fortalecer o nome e a ideologia de Xi, considerado pelo mercado econômico o “homem mais poderoso do mundo”.

Bob Fu, presidente da China Aid, que monitora a crescente perseguição aos cristãos no país, disse ao Christian Post que essa situação é preocupante para os crentes. Para ele, este é um “sinal claro” que o partido, que visa impor o ateísmo, procura “exercer controle total sobre todas as áreas da vida” dos cidadãos chineses, incluindo as igrejas.




Deixe seu comentário!