MENU

Cristãos de Camarões pedem intervenção da ONU: “estamos morrendo a cada dia”

Igrejas foram invadidas e líder presbiteriano lamenta  “muitos filhos de Deus estão sendo mortos”


Reprodução Youtube

Cristãos camaroneses estão pedindo que o mundo se atente para a onda de violência em seu país, onde as igrejas estão sendo invadidas e os fiéis forçados a fugir. “Precisamos da paz e da intervenção das Nações Unidas”, disse um líder metodista, que pediu para ter a identidade preservada.

“Muitas pessoas estão morrendo todos os dias, casas e aldeias são queimadas, há uma multidão e famintos e também aquelas que se refugiaram na Nigéria. Não temos voz em nosso próprio país”, lamentou.

Leia mais

A violência está concentrada no Oeste, região de língua inglesa do país, onde alguns grupos rebeldes criaram a autoproclamada “República da Ambazônia”, onde a religião oficial seria o Islamismo. Em Camarões, cerca de um quarto da população já é muçulmana.

Centenas de pessoas foram mortas este ano, enquanto outras dezenas de milhares foram forçadas a fugir de suas casas. Cerca de 50 escolas e hospitais cristãos foram invadidos e pelo menos quatro igrejas foram convertidas em “quartéis” dos rebeldes.

“O governo de Ambazônia, que controla a maior parte da nossa região, colocou um grupo de soldados nas escolas. Há tiroteios frequentes entre grupos que disputam o poder. Sequestros também são abundantes”, destaca.

Setenta e nove crianças foram levadas por homens armados de uma escola da Igreja Presbiteriana, mas foram devolvidas no início de novembro. O diretor da escola acabou encerrando suas atividades.

O pastor Fonki Samuel Forba, líder da Igreja Presbiteriana no país, destacou que “muitos filhos de Deus estão sendo mortos, perseguidos ou vivendo como refugiados dentro e fora do país. A Igreja continuará ajudando nossos irmãos deslocados pelo conflito armado, que só trouxe dor e sofrimento ao nosso povo”.

 



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!