Cristãos iraquianos ainda temem retornar aos seus locais de origem

Mesmo com a expulsão do Estado Islâmico, clima é de medo


Cristãos iraquianos ainda temem retornar aos seus locais de origem

O El País, em grande reportagem divulgada no último sábado (15), abordou a situação de cristãos iraquianos após a expulsão do Estado Islâmico (EI) em regiões como Qaraqosh e Mossul.



De acordo com o jornal, ainda existe um temor da população cristã em retornar aos seus locais de origem, mesmo com as ofensivas do Exército e as zonas recuperadas em Qaraqosh, a cidade mais cristã da região.

Em Qaraqosh a maioria das casas seguiram construídas, mas saqueadas e, muitas, queimadas. Não existem dados exatos da população existente da cidade antes da chegada do EI, mas estima-se que eram 50 mil pessoas.


  Programa que ensina a Bíblia vira febre na Internet


De origem étnica assíria, 70% dos moradores eram seguidores da igreja católica síria, e o restante de católicos ortodoxos. Além disso, também existiam refugiados caldeus de tradição católica e membros da igreja assíria do Oriente. A minoria dos residentes em Qaraqosh eram muçulmanos.



“No total, retornaram aproximadamente 150 pessoas. Meu objetivo é ajudar as pessoas a voltar”, disse Nuri, de 52 anos, que observa os arredores e, antes da tomada do território, trabalhava com equipamentos sanitários.

Um dos moradores curdos, em Erbil, afirmou que a população não está segura ali. Já Qais Luis não concorda. “Há segurança. Desde que expulsamos o Estado Islâmico, está tudo tranquilo”.



Além das casas, templos também foram destruídos, incluindo construções existentes há séculos e que, hoje, fazem parte dos escombros. Parte do que foi mantido era utilizado como fábrica de explosivos.

“Sim, temos segurança nacional, mas precisamos de garantias internacionais. Com a expulsão do Estado Islâmico, não se resolveu o problema porque embora os combatentes tenham sido expulsos, suas ideias continuam presentes. É uma questão de cultura, de aceitar o outro, mesmo que ele seja diferente. A mudança virá pouco a pouco”, disse Nuri, que se preocupa com o futuro de sua família.




Deixe seu comentário!