Crivella defende Edir Macedo em ato com oração por Russomanno

Encontro Religioso em São Paulo reuniu as Igrejas Evangélicas Apostólicas do Brasil


Crivella defende Edir Macedo durante evento religioso

Ao longo da campanha à prefeitura de São Paulo deste ano, a questão religiosa parece ter dado o tom da disputa. Todas as declarações de apoio de pastores e/ou igrejas viraram notícia, igrejas foram acusadas de servirem como comitê e católicos e evangélicos mais uma vez se “estranharam” por conta de declarações de parte a parte.

Ontem (27), o ministro da Pesca e Senador licenciado do PRB, Marcelo Crivella pregou, durante a Expocristã, no café da manhã promovido pela Confederação das Igrejas Evangélicas Apostólicas do Brasil, lideradas pelo apóstolo Estevam Hernandes, da Renascer.

Crivella, além de bispo licenciado da Universal é sobrinho de Edir Macedo. Durante sua fala, o ministro afirmou que Macedo e Hernandes são perseguidos por liderar suas igrejas. “Perguntem ao apóstolo ou ao bispo Macedo o preço que eles pagam”, disse. Depois, defendeu o engajamento político das igrejas, embora negue haver uma mistura de religião com política. “Engana-se quem pensa que a igreja quer se aproveitar da política. Bobagem. Vivemos de dízimo e de ofertas. Não precisamos da ajuda de governo para nada”, enfatizou.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


O ministro defendeu que a causa das igrejas é a liberdade religiosa, mas lembrou que “alguns candidatos”, estariam sentindo o “preconceito” que ainda existe contra evangélicos, numa referência indireta a Russomano.

Durante o evento, Estevam Hernandes fez uma oração em prol de Russomano e pediu a Deus que a candidatura do PRB “dê fruto na estação própria”. O ex-deputado Bispo Gê (DEM-BA), outro líder da Renascer, disse que Russomanno é um homem “de boa índole” e que está preparado para governar.

Segundo o deputado Marcelo Aguiar (PSD-SP), um dos articuladores políticos da igreja, a Renascer apenas a pede à prefeitura “flexibilidade na documentação e regularização de imóveis [templos]”.

Com informações Folha de S. Paulo




Deixe seu comentário!