Deputados questionam delegado sobre investigações contra Marcos Pereira

A relação do AfroReggae com as vítimas foi questionada, assim como a ligação entre o coordenador da ONG e um traficante do RJ


Deputados questionam delegado sobre investigações contra Marcos Pereira

Parlamentares da bancada evangélica e dos Direitos Humanos se reuniram com o secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, para apurar os dados levantados sobre as acusações contra o pastor Marcos Pereira, preso há mais de cem dias por acusações de estupro.

O jornal “O Dia” diz que o encontro acabou se tornando uma saia justa contra o delegado Márcio Mendonça, da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), que foi questionado sobre a forma como a investigações estão seguindo.

Uma reportagem do próprio jornal foi usada pelos deputados para mostrar as falhas dessa investigação, na edição de domingo (1º) O Dia mostrou que todas as principais testemunhas foram levadas à delegacia para depor por funcionários do AfroReggae e que as queixas foram prestadas durante a madrugada, quando o expediente do Dcod já havia sido encerrado.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


Aos parlamentares o delegado confessou que não esteve no apartamento “luxuoso” que aparece no inquérito e nem mesmo conversou com os vizinhos ou porteiro para saber se de fato aconteciam as orgias sexuais que foram descritas pelas testemunhas.

Outro momento constrangedor para o delegado foi a exposição do que estava na reportagem do jornal carioca sobre a manipulação das testemunhas, algumas receberam ofertas de casas e propostas de emprego no AfroReggae.

Mesmo sabendo que não há mais o que fazer para impedir a continuação do processo, que já foi para a Justiça, os deputados trouxeram ao delegado a informação de que o coordenador da ONG, José Junior, teria ligações com o traficante Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, uma informação nova para o Márcio Mendonça que é responsável por investigar o crime organizado.




Deixe seu comentário!