MENU

Onyx: “Deus levantou o mais improvável dos homens para ser presidente”

Damares Alves é o nome preferido para Direitos Humanos, garante coordenador da transição


Bolsonaro e Onyx Lorenzoni
Bolsonaro e Onyx Lorenzoni. (Foto: Adriano Machado/Reuters)

O ministro extraordinário da transição, Onyx Lorenzoni, anunciou hoje (3) em entrevista à Rádio Gaúcha que o presidente eleito Jair Bolsonaro deve anunciar os últimos ministros esta semana.

Segundo Onyx, o Ministério do Trabalho deixará de existir, sendo que as atuais atividades da pasta serão distribuídas entre os ministérios da Justiça, da Economia e da Cidadania.

A composição final do futuro governo terá 20 ministérios funcionais e dois que ele chamou de “eventuais”. O político explicou que as pastas terão status ministerial temporário, deixando de ser ministérios efetivamente após a aprovação de PECs nesse sentido. Trata-se do Banco Central e da Advocacia-Geral da União (AGU).

Leia mais

“Vamos governar pelo exemplo”, assegurou, insistindo que irão se pautar na transparência. Em seguida disse que os políticos entenderam o “recado das urnas” sobre a velha política, que está perdendo cada vez mais espaço.

“Eu digo sempre que Deus levantou o mais improvável dos homens para ser presidente do Brasil e a sociedade deu apoio a ele porque viu nele a condição de mudar o que não quer mais no país”, avalia.

Bolsonaro ainda não definiu com quem ficará o comando do Meio Ambiente e dos Direitos Humanos. Conforme explicou Onyx, a pastora Damares Alves segue sendo a “mais provável” para ocupar o cargo.

Em vários momentos da entrevista, o coordenador da transição e futuro ministro-chefe da Casa Civil destacou que no governo de Bolsonaro não haverá mais a política do “toma lá, dá cá”, referindo-se à distribuição de cargos em troca de apoio na votação de projetos prioritários.

“Ao longo dos anos esses lugares eram dados e usados para operações que eram desvio de dinheiro público. E isso não vai ter no governo Bolsonaro. Estamos criando um novo mecanismo que não existe, uma nova lógica de relacionamento”, disse.



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!