Devido à opressão palestina, cristãos hoje são minoria em Belém

Denúncia é do Dr. Ephraim Herrera, especialista em estudos islâmicos


Igreja da Natividade
Igreja da Natividade

Roberto Grobman, judeu brasileiro que vive em Israel e colabora com o portal Gospel Prime, está denunciando como a opressão muçulmana fez com que os cristãos deixassem a cidade de Belém, onde eram a maioria. Ele conversou com o doutor Ephraim Herrera, especialista em estudos islâmicos e autor do livro Compreendendo a Jihad, sobre o tema.

“Antes da Autoridade Palestina assumir o controle desses territórios, cerca de 85% da população de Belém era formada por cristãos, hoje são menos de 10%. Os palestinos impedem que eles pratiquem sua fé e mantenham os seus costumes”, explica Herrera. Historicamente, Belém ficou conhecida como o local do nascimento de Jesus.

O especialista apontou para a cidade vizinha de Beit Jala, que tinha uma população predominantemente cristã. “Eu costumava ir lá e comprar azeite e ovos dos comerciantes cristãos. Nós [judeus] vivíamos em paz com eles. Agora não posso mais ir lá pois eles podem me matar só pelo fato de eu ser judeu”.

Ele lamenta que a mídia ocidental ignore essa realidade. “Nenhum judeu pode morar lá. Fala-se sobre ‘Apartheid’ em Israel, mas há uma lei na Autoridade Palestina, dizendo que se você é judeu não pode ser um cidadão. Nós não podemos viver lá e os cristãos são oprimidos”, revela.

Enquanto a Autoridade Palestina (AP) acusa Israel de cometer os crimes, muitas vezes eles encobrem atos realizados pela própria AP contra seus cidadãos. “Saeb Erekat, que pertence ao comitê do Fatah [partido do governo], disse que nós oprimimos os cristãos em Israel. Israel é o único país no Oriente Médio em que os cristãos vivem em paz, podem ter sua fé e praticá-la”, aponta Herrera.

Na opinião do estudioso, a AP mente para transformar os cristãos em “outro fator contra Israel”. A opressão política é grande e os cristãos em Israel muitas vezes se calam por medo de que suas denúncias intensifiquem a opressão contra seus irmãos palestinos. “Todas as pessoas em Israel, especialmente os cristãos, sabem que Israel os protege”, destaca.

Para Herrera os EUA podem mudar muita coisa após terem aprovado a “Lei Taylor Force”, que impede o governo palestino de usar verbas estrangeiras para patrocinar o terrorismo. “O presidente Trump entende este ponto melhor do que a maioria das pessoas em Israel. Com a Taylor Force, ele impede a doação de dinheiro e apoio à Autoridade Palestina até que eles parem os pagamentos às famílias de terroristas que matam judeus e turistas que venham pra Israel”. Com informações de Israel National News

 




Deixe seu comentário!