Eduardo Bolsonaro defende que país precisa retomar valores cristãos

Deputado acredita que o povo brasileiro “caiu na real”


Bolsonaro diz que país precisa retomar valores cristãos

O portal Gospel Prime está em Brasília e falou com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSC/SP), que trabalha seguidamente junto à Frente Parlamentar Evangélica. Ele explica que foi criado numa família com fortes valores cristãos e isso tem pautado sua vida pessoal e política. Filho do deputado Jair Bolsonaro (PSC/RJ), Eduardo é advogado e servidor público (Polícia Federal).

Ele tem sido um dos defensores mais incisivos na Câmara dos Deputados nas questões que contrariam a agenda ideológica do governo petista, que inclui o ensino da sexualidade nas escolas para crianças pequenas. O parlamentar defende que a sexualidade é um assunto que deve ser tratado “dentro de casa” e não ensinado de maneira distorcida no material escolar publicado pelo Ministério da Educação e Cultura.

Já acostumado com as acusações de ser “intolerante”, “homofóbico” e “portador de um discurso de ódio”, ele não se deixa abater e explica que isso é uma estratégia antiga, que segue um ideal dos primórdios do comunismo. Também defende que as acusações que seu pai mataria um filho caso esse fosse homossexual são falaciosas.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


Alvo seguido de deputados ligados à esquerda, Eduardo acredita que eles se contradizem com frequência. Ao mesmo tempo que são contra a redução da maioridade penal, defendem que um menor de idade possa trocar de sexo.

Bolsonaro reafirma que sua posição é totalmente contrária a legalização de drogas e a legalização total do aborto. Explica que defende projetos de Lei como o proposto pelo deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) que pune quem colabora a interrupção da gravidez.

Questionado se, contrariando o ditado, “política e religião se discutem”, ele acredita que sim. Para ele, não se pode esquecer que as decisões do Congresso afetam a vida de todos os cidadãos do país. Não se posicionar, “é o que basta para o que o mal triunfe”, assevera.

Para ele, o povo de Deus tem os mesmos direitos de todos os outros cidadãos. Para o parlamentar, seu principal objetivo é frear projetos de lei que são desvantajosos para a maioria da sociedade, que é cristã. Sua própria escolha de pertencer ao Partido Social Cristão, lhe garante liberdade de atuação na defesa dessas bandeiras.

Crítico contumaz da administração do PT, ele afirma que também o PC do B e o PSOL possuem ideologias políticas contrárias às bandeiras cristãs. Reconhece ainda que existe uma “onda conservadora” no Brasil e que isso significa que o “povo caiu na real”.

Ele se mostra insatisfeito com o número de projetos de lei que tramitam na Câmara que defendem uma verdadeira “inversão dos valores”. Acusa o governo do Partido dos Trabalhadores de viver de “falácias” e condena a perda gradativa do sentimento de autoridade na nação. Finaliza ressaltando que a “verdade hipotética não existe” e que o país só voltará a ser produtivo quando for “pautado pelos valores cristãos”.

Assista:




Deixe seu comentário!