Evangelista é preso após pregar que gays vão para o inferno

Mike Overd foi detido novamente pela polícia inglesa


Evangelista é preso após pregar que gays vão para o inferno

Um evangelista que costuma pregar nas ruas foi preso em Bristol, Inglaterra, apenas algumas semanas depois de se livrar de uma condenação por distúrbio da ordem pública. Em julho do ano passado, o inglês Michael Overd, de 52 anos, e o norte-americano Michael Stockwell, 50 anos, pregavam nas ruas da cidade, quando foram interpelados por um grupo de pessoas, entre elas vários muçulmanos.

Em meio ao debate, os pregadores disseram que Allah “não existia” e que todos os islâmicos iriam “queimar no inferno”. Isso foi o suficiente para que eles fossem denunciados. Quando as autoridades chegaram, levaram os dois para prestar depoimento na delegacia. Após ouvirem as testemunhas, foi instaurado um processo contra eles.

Na semana passada, Mike Overd, foi preso novamente após a polícia ser chamada para averiguação. Ele estava sozinho numa das principais ruas da área comercial da cidade quando começou a falar sobre o inferno.

Isso bastou para que fosse novamente acusado de “perturbação da ordem”. Ele nega ter feito algo de errado e reclama que tem direito à liberdade de expressão.

O porta-voz polícia diz que Overd foi indiciado por “ofensa de ordem racial ou religiosa” e irá responder em liberdade ao novo processo. Seus acusadores dizem que ele fazia um “discurso incitando o ódio” aos homossexuais.

Enquanto isso, quase 4.000 pessoas assinaram uma petição, dirigida ao Conselho do Condado de Somerset para que Mike Overd seja proibido de pregar nas ruas. O autor do abaixo-assinado on-line, Leon Da Silva, reclama que o evangelista disse que ele iria para o inferno porque era homossexual.

Silva alega que não aceita ser chamado de “pecador” e condenado ao inferno publicamente. “Estou propondo ao conselho da cidade que este homem seja proibido de pregar no centro da cidade porque os moradores querem passear e fazer suas compras sem problemas”.

Questionado pela imprensa sobre as acusações, Overd foi incisivo: “Eu sou um homem verdadeiramente rendido a Cristo. Minha vida não é minha. Mas eu me pergunto quanto dinheiro do contribuinte desperdiçaram e continuam usando para tentar me silenciar? Sou um patriota, meu coração sangra pelo nossos país”. Com informações Premier




Deixe seu comentário!