Grupo islâmico proíbe tomates porque eles são “cristãos”

Imagem polêmica postada no Facebook gerou milhares de comentários


Grupo islâmico proíbe tomates porque eles são "cristãos"

Um grupo muçulmano egípcio, da linha salafista, está com dificuldade de se retratar de um post no Facebook, que advertia que os tomates seriam proibidos aos islâmicos porque seriam “cristãos”.

No entanto, o grupo fundamentalista chamado Associação Egípcia Popular Islâmica, aparentemente divulgou que tomates podem ser ofensivos quando são cortados de maneira que revela a forma de uma cruz, segundo um site do Líbano.

A foto de um tomate cortado ao meio postado no Facebook é acompanhada pelos dizeres: “Comer tomate é proibido porque eles são cristãos [O tomate] elogia a cruz, em vez de Allah e diz que Deus é três [uma referência à Trindade]. [Que Deus nos ajude]. Eu imploro para que você divulgue esta foto porque uma irmã da Palestina viu o profeta de Allah [Maomé], em uma visão. Ele estava chorando, alertando sua nação contra o seu consumo [de tomates]. Se você não espalhar esta [mensagem], sabemos que o diabo parou você”, diz a matéria do site Now Lebanon.


  Programa que ensina a Bíblia vira febre na Internet


Mais de 2.700 comentários foram deixados no post publicado há 10 dias, o que talvez forçou a associação a emitir a seguinte resposta: “Nós não dissemos que você não pode comer tomates. Nós dissemos para não cortá-lo na forma de [que revela] cruz”.

Embora muitos dos comentários feitos no Facebook não sejam adequadas para serem reproduzidas aqui, um blogueiro brincou com o fato em seu blog: “Atenção! Sua salada pode estar fazendo você em um infiel!”.

Há uma estimativa que existem de 5 a 6 milhões de salafistas no Egito. Os salafistas são geralmente considerados mais tradicionalistas que as outras facções muçulmanas. No ano passado, um grupo de muçulmanos radicais, incluindo salafistas, foram responsáveis pela queima de diversas igrejas e empresas cristãs no Egito, que mais tarde resultou em centenas de mortes durante manifestações contra a destruição.

De acordo com um relatório de inteligência doméstica da Alemanha, feito em 2010, o salafismo é o movimento que mais cresce no mundo islâmico.

Traduzido de Christian Post




Deixe seu comentário!