Por que a imagem desse terrorista religioso virou símbolo de liberdade?

O homem por trás da máscara era um revolucionário católico que tentou matar um rei protestante


Por que a imagem desse terrorista religioso virou símbolo de liberdade?

A máscara de um rosto sinistramente pálido, com um sorriso malicioso e finos bigodes pretos virados para cima fazem do rosto de Guy Fawkes um símbolo da desobediência civil no início do século 21. Se antes a face mais comum da revolução era a de Ernesto “Che” Guevara, hoje parece que o posto pertence a esse católico britânico levado à forca por traição no século 17.

A popularização da figura da máscara começou em 2006, por causa do sucesso do filme “V de Vingança”, adaptada para o cinema pelos irmãos Wachowski a partir de uma história em quadrinhos para adultos criada por Alan Moore e David Lloyd.

O protagonista do filme é um homem que vai contra o sistema, um herói misterioso que luta contra um regime fascista e vence ao explodir o Parlamento britânico. Uma das últimas cenas mostra uma multidão com máscaras imitando o rosto do rebelde olhando para o incêndio. Ao contrário de Fawkes, que falhou na vida real em detonar a dinamite que carregava.


  Programa que ensina a Bíblia vira febre na Internet


James Sharpe, historiador proeminente e autor de um livro sobre Fawkes,  afirma e que a verdadeira história de vida desse homem está mais interligada com a questão religiosa na Inglaterra medieval do que o filme ou a história em quadrinhos se preocupam em mostrar.

Em 2008, o grupo de ativistas e hackers que se autodenomina Anonymous, escolheu usar a máscara de Fawkes como sua “cara pública” durante uma manifestação contra a Igreja da Cientologia, nos Estados Unidos.

A partir daí e do sucesso de ações do Annonymous em invadir e tirar do ar sites de grandes empresas e de governos, o rosto passou a simbolizar a defesa pelos direitos individuais. Durante o movimento Ocupar Wall Street, e outros similares que surgiram pelo mundo todo, tornou-se um dos maiores símbolo dos grupos anticapitalistas.

Eles afirmam não terem um líder, serem um coletivo, lutarem contra as justiças do mundo, estares do lado dos pobres e fazem tudo isso “para dar risadas”.

“Algumas pessoas usam essa máscara por moda, outras sabem o que ela representa. Eu tenho uma para mostrar o meu apoio à mensagem contra a tirania e fazer parte deste movimento global de contestação e de cidadania”, contou um dos manifestantes acampado em frente à catedral Saint Paul, no centro financeiro de Londres.

No último sábado, um grande grupo marchou em direção ao Parlamento inglês. A importância da data, 5 de novembro de 1605., é porque foi nesse dia que a polícia britânica prendeu Fawkes com vários quilos de explosivos na parte subterrânea do Parlamento.

O costume, desde então, é no quinto dia do de novembro acender fogueiras, lançar fogo-de-artifício e queimar reproduções do rebelde católico. Uma espécie de “malhação de Judas”, que serviria de aviso a qualquer um que pense em cometer uma traição contra a monarquia.

Com seu ato terrorista, Guy Fawkes não desejava destruir o sistema. Queria apenas derrubar a monarquia do rei protestante James I e fazer um protesto contra a perseguição religiosa de católicos no Reino Unido.

Fawkes e outros participaram do que ficou conhecido como “a Conspiração da Pólvora”. Explodir o Parlamento enquanto o Rei James estava lá era seu objetivo, uma manobra política. Conta à história que eles foram presos e torturados durante quatro dias, depois julgados e condenados à morte por enforcamento.

Seja por sorte ou algum tipo de ajuda, Fawkes não morreu na forca. Ele teria tropeçado ao subir para o cadafalso e quebrou o pescoço na queda. Todos os historiadores concordam que Guy Fawkes não foi um combatente contra o sistema. Sequer era o mentor do atentado, mas foi escolhido por ser um especialista em armas.

Ele poderia ser considerado um terrorista religioso que tentou destituir o rei protestante e devolver o domínio do seu país aos católicos. É bom ressaltar que o rei James I foi responsável pela tradução da Bíblia pra o inglês, a versão King James, Seu nome ficou, assim, perpetuado na história do protestantismo. Se Fawkes tivesse sido bem-sucedido, provavelmente a bíblia King James jamais teria existido.

Ironicamente, as máscaras com a “cara de Fawkes”, que vendem aproximadamente 100 mil exemplares por ano em todo o mundo, são uma propriedade registrada da Time Warner, detentora dos direitos do filme  “V de Vingança” Ou seja, ao usarem essa imagem para combater o capitalismo selvagem, como afirmam, na verdade ajudam a dar lucro para uma multinacional que lucrou cerca de 1,6 bilhão de dólares no ano passado.

Traduzido e Adaptado por de CNN e informações da Wikipedia




Deixe seu comentário!