Igrejas são atacadas na Turquia “pós-golpe”

“Guerra aos cristãos” está chegando à Turquia, denuncia pastor


Igrejas são atacadas na Turquia "pós-golpe"

O observatório Middle East Concern, que analisa a liberdade religiosa no Oriente Médio, denuncia que pelo menos duas igrejas foram vandalizadas na Turquia durante a tentativa de golpe em 15 de julho. Curiosamente, são locais conhecidos pelo assassinato de cristãos anos atrás.

Uma delas é a Igreja Protestante Malatya, na cidade homônima, localizada no leste do país. Em 2007, três cristãos – um missionário e dois ex-muçulmanos – foram torturados e mortos por causa de sua fé. Cinco suspeitos foram detidos, mas o julgamento ainda não ocorreu.

O pastor Tim Stone acredita que radicais se aproveitaram da situação caótica que o país viveu para vandalizar o templo, quebrando janelas e arrombando a porta principal.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


Em Trabzon, na costa norte, cerca de 10 pessoas depredaram as janelas da Igreja Católica Santa Maria, onde, em 2006, o padre Andrea Santoro foi martirizado enquanto rezava ajoelhado diante do altar. A situação é similar, com pessoas investigadas, mas o julgamento sempre adiado.

Nas duas cidades, os principais suspeitos são parte do movimento Hizmet, grupo influente liderado pelo líder muçulmano Fetullah Gulen, acusado de planejar o golpe fracassado pelo presidente Recep Tayyip Erdoğan. Para os advogados das vítimas, essa acusação é política, uma vez que o governo turco procura motivos para criminalizar membros do Hizmet há anos.

Pedido por tolerância une judeus e cristãos

Logo após o fracasso da tentativa de intervenção militar que deixou pelo menos 290 mortos, líderes judeus, católicos e evangélicos fizeram uma declaração conjunta condenando o golpe e pedindo por “mais amor, paz e justiça” na Turquia.

A Associação de Igrejas Protestantes turcas também emitiu uma declaração à imprensa, pedindo sabedoria e entendimento aos líderes do país e convocando para uma campanha de oração pela paz.

A nação turca vive um período de instabilidade, que parece ter inflado o radicalismo.  A Rádio Cristã Shema, com sede na capital Ankara, anunciou que a “Fatihah” – oração muçulmana pelos mortos – “foi continuamente transmitida pelas 110.000 mesquitas em todo o país no domingo… homenageando ‘mártires’ que lutaram para impedir o golpe de Estado”.

Os cristãos representam apenas 0,2% dos 75 milhões de habitantes do país. Estima-se que 90.000 católicos armênios, 25.000 católicos romanos, 20.000 ortodoxos sírios, 15.000 ortodoxos russos, 7.000 evangélicos, 3.000 caldeus iraquianos e 2.500 ortodoxos gregos. Além disso, existem 20.000 judeus.

Fim do Estado Laico

O temor dos líderes cristãos é que Erdogan consiga acabar em breve com o conceito de Estado laico, uma das bases da Turquia moderna, desde que foi estabelecida por Mustafa Kemal Ataturk, em 1923, após o fim do Império Otomano. Ao se confirmarem as previsões recentes, o presidente turco irá impor no país a lei sharia, o que significaria que qualquer não islâmico pode ser morto, acusado de ser “infiel”.

O pastor Ian Sherwood, que vive há décadas em Istambul, sendo atualmente responsável pela  Igreja Anglicana Memorial da Crimeia, afirma que a comunidade cristã está “alarmada” após os últimos acontecimentos.

Sob Erdogan, o islamismo na Turquia voltou a ocupar um espaço proeminente e, com isso, criado um clima de temor nos cristãos.  Para ele, é visível “uma tendência crescente de intolerância para com não-muçulmanos”. Narra, por exemplo, que jovens muçulmanos invadiram o pátio da igreja gritando ‘Allahu Akbar’, espécie de grito de guerra, comum em ataques terroristas ao redor do mundo.

“Não sou otimista com a situação dos cristãos na Turquia”, diz Sherwood. Ele afirma que muitos cristãos estão falando em sair do país. “Qualquer líder cristão, se for honesto, dirá que o que está acontecendo é bastante alarmante”, sublinha. Teme ainda que a “guerra ao cristianismo” em vigor nos países vizinhos como Síria e Iraque, chegue até solo turco definitivamente.

David Lidington, secretário de Estado britânico para a Europa, que defende a entrada da Turquia na União Europeia, no início do ano afirmou que uma das condições para isso era a segurança que existia no país liberdade religiosa e de imprensa. O governo turco assegurou que não existiam violações dos diretos humanos, mas se nega a ser inspecionado por estrangeiros. Com informações de Spectator e Word Watch News




Deixe seu comentário!