MENU

Inglaterra e França seguem EUA e iniciam ataques à Siria

Líderes europeus culpam Rússia pelas ações de Bashar Al-Assad


Ataques à Síria
Ataques à Síria

A primeira-ministra britânica Theresa May disse que autorizou as forças armadas britânicas a realizarem ataques coordenados com os Estados Unidos e França contra “locais estratégicos”.

“Esta noite, autorizei as forças armadas britânicas a realizarem ataques coordenados e direcionados para eliminar os depósitos de armas químicas do regime sírio e impedir seu uso. Estamos agindo em conjunto com nossos aliados americanos e franceses”, afirmou May em um comunicado.

Leia mais

Segundo a primeira-ministra, os esforços diplomáticos “foram repetidamente frustrados” e destacou que não há alternativa prática ao uso da força contra a Síria. Para ela, os ataques não deveriam ser surpresa.

“Não podemos permitir que o uso de armas químicas se normalize – na Síria, nas ruas do Reino Unido ou em qualquer outro lugar do mundo”, disse ela. “A história nos ensina que a comunidade internacional deve defender os padrões globais que mantém a todos nós seguros.”.

Também reclamou da atuação da Rússia no conflito, defendendo o regime de Bashar Al-Assad e bloqueando resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

Nesta sexta (13), autoridades russas chegaram a afirmar que os ataques químicos eram uma “fabricação do Reino Unido”.

Linha vermelha

O presidente da França, Emmanuel Macron, também confirmou que ordenou a intervenção militar francesa na Síria, junto com os EUA e o Reino Unido.

Ele anunciou que o regime de Assad havia “cruzado a linha vermelha” ao utilizar armas químicas. Para o governo francês “não há dúvidas” que a Síria é responsável pelos ataques e que o foco da operação é evitar que ela continue a fazê-lo.




Deixe seu comentário!