MENU

Irã quer realizar outro Holocausto, denuncia Netanyahu

Premiê israelense encontrou-se com Vladimir Putin para debater crise no Oriente Médio


Vladimir Putin, Aleksandar Vucic e Benjamin Netanyahu
Vladimir Putin (D), o presidente sérvio Aleksandar Vucic (E) e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu (C) participam da marcha do Regimento Imortal no centro de Moscou em 9 de maio de 2018. (Foto: AFP / Sputnik / Alexey Druzhinin)

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu está em visita a Moscou nesta quarta-feira (9) onde se encontrou com o presidente russo, Vladimir Putin. O líder israelense denunciou que o Irã está tentando “cometer outro Holocausto”, visando exterminar mais seis milhões de judeus que vivem em Israel.

Nesta manhã, o premiê assistiu ao lado de outros líderes estrangeiros à Parada da Vitória, dedicada à comemoração do 73º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista. “Nós, em Israel, nunca esquecemos o tremendo sacrifício do povo russo e o sacrifício do Exército Vermelho em derrotar o monstro nazista”, disse Netanyahu.

Leia mais

“Não esquecemos da grande lição sobre a necessidade de enfrentar a ideologia assassina enquanto há tempo. É difícil acreditar, mas 73 anos depois do Holocausto há um país no Oriente Médio, o Irã, que está pedindo a destruição de seis milhões de judeus”, afirmou.

O encontro com Putin ocorreu um dia depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar que estava retirando os EUA do acordo nuclear com o Irã.

“A diferença é que hoje temos um Estado e agradeço muito a oportunidade de discutir os problemas regionais com vocês… as tentativas de resolver as crises, de acabar com as ameaças de maneira prudente e responsável”, afirmou.

Netanyahu chegou a Moscou para uma conversa urgente no Kremlin sobre a tentativa do Irã de se estabelecer militarmente na Síria. A Rússia é um conhecido aliado de Teerã e Damasco e condenou os recentes ataques aéreos israelenses contra alvos iranianos e sírios na Síria.

Jerusalém vem tentando impedir que o Irã estabeleça bases avançadas em território sírio que possam ser usadas para ataques com mísseis contra Israel, além de evitar que armas avançadas e foguetes sejam entregues ao grupo terrorista Hezbollah, sustentado por Teerã.

Desde ontem, o exército israelense convocou soldados para a região das Colinas de Golã e que colocou suas defesas aéreas em alerta máximo, depois de terem detectado “movimentos anormais de forças iranianas na Síria”.  Com informações Times of Israel



Assuntos: , ,


Deixe seu comentário!


Mais notícias