“Islã moderado” é uma invenção do Ocidente para nos enfraquecer, afirma Erdogan

Discurso foi feito durante um evento da Organização Para a Cooperação Islâmica.


"'Islã moderado' é uma invenção do Ocidente para nos enfraquecer"

“O Islã não pode ser dividido em moderado ou não moderado”, disse o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, durante o Simpósio da Organização para a Cooperação Islâmica, realizado na capital Ancara, em 9 de novembro.

Segundo Edrogan, que tenta ser em um novo califa e fazer da Turquia uma teocracia aos moldes do Irã, “Islamismo moderado” é um conceito que se originou “no Ocidente” com o único propósito de “enfraquecer o Islã”.

Seu discurso foi uma resposta às recentes declarações do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, que vem defendendo a necessidade de a Arábia Saudita ser um exemplo de “Islã moderado”.

“Nós nos empenharemos para retornar ao que fomos: um Islã moderado aberto a todas as religiões do mundo”, disse o príncipe Salman, que garantiu recentemente a autorização para as mulheres dirigirem na Arábia Saudita.

Em sua fala, Erdogan também criticou a União Europeia por ter, segundo ele, discriminado as mulheres muçulmanas através de uma série de proibições do uso do véu islâmico, tanto o que cobre o rosto (niqab) quanto todo o corpo (burca). As medidas foram descritas pelo presidente turco como “tentativas de encarcerar mulheres muçulmanas em suas casas que se espalharam como um vírus”.

A França foi o primeiro país europeu a proibir “a cobertura do rosto no espaço público”, em 2010. Posteriormente foi seguido por Bélgica, Alemanha e Áustria.

Organização para a Cooperação Islâmica

O discurso de Erdogan durante um evento da Organização Para a Cooperação Islâmica tem muita força. Criada em 1969, reúne atualmente 53 países de maioria muçulmana em 4 continentes.

Sediada na Arábia Saudita, seu objetivo é unir os países de população islâmica e lutar pela “liberação da ocupação israelense a região onde fica a mesquita de Al-Aqsa”, leia-se Jerusalém. A Organização possui fortes vínculos com as Nações Unidas, onde trabalha para “a resolução de problemas globais”.

Islã moderado é semântica

O conceito de “islã moderado” não era divulgado antes dos atentados do 11 de setembro nos EUA. De certa forma, foi usado por políticos para combater a influência crescente dos movimentos islâmicos que apregoam a interpretação literal do Alcorão, chamados então de “extremistas”. Contudo, no centro dessa discussão semântica está a grande luta geopolítica travada no Oriente Médio.

A Irmandade Muçulmana, antiga organização político-religiosa, e suas afiliações em toda a região colocaram a Turquia em conflito com a Arábia Saudita, que trata o grupo como “organização terrorista”. No Egito, ela foi a responsável pela ascensão do ex-presidente Mohammed Morsi, que hoje está preso.

O Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), de Erdogan, vê a Irmandade Muçulmana como seus “irmãos ideológicos” e continua a apoiá-los abertamente. Essa decisão só aumentou as diferenças com a Arábia Saudita. Quando o Catar decidiu seguir a mesma linha da Turquia e apoiar o Irã, os sauditas e outros países do Golfo impuseram um bloqueio econômico ao governo catariano.  Com informações de RT e Turkey Post




Deixe seu comentário!