Revista acusa Crivella de beneficiar obra da IURD com dinheiro público

ISTOÉ mostra como ministro da Pesca utiliza estrutura do ministério em favor de sua ONG.


Revista acusa Crivella de beneficiar obra da IURD com dinheiro público

Quando Marcelo Crivella lançou o projeto de irrigação da Igreja Universal do Reino de Deus no chamado “Polígono das Secas”, através da ONG Fazenda Nova Canaã, lançou um CD que vendeu mais de um milhão de cópias. O lucro foi investido na compra de 450 hectares de terras em Irecê (BA) em 1999.

O projeto produz desde então frutas e hortaliças que são usadas na merenda das mais de 400 crianças atendidas pela obra social da igreja, que além do currículo regular oferece aulas de ensino religioso.  Crivella, que além de bispo licenciado da IURD também é Senador pelo Rio de Janeiro, sempre usou as ações em suas campanhas.

Recentemente empossado como ministro da Pesca, ele estaria usando a estrutura do próprio ministério para ajudar a sua ONG para entrar no mercado da carne de tilápia na Bahia. A revista ISTOÉ publicou uma matéria na edição desta semana para mostrar que haveria “uma inequívoca utilização do cargo público em benefício pessoal”.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


A ISTOÉ afirma que a ONG Fazenda Nova Canaã tem o apoio da Superintendência do Ministério da Pesca na Bahia e da Secretaria Estadual de Agricultura para criar um criadouro de tilápias no local. Em março, Crivella se reuniu com representantes do governo baiano para mostrar como seria feita a captação de recursos federais para a instalação de tanques-rede na ONG.

Dessa maneira, a fazenda pode produzir até 13 toneladas de tilápia por ano, mais que o suficiente para a merenda servida na obra social. Como a Fazenda Nova Canaã teria condições de alcançar uma produção de 200 toneladas de tilápia por ano, a obra poderia lucrar muito com a venda do excedente. Aliás, segundo a reportagem, a meta do ministério da Pesca é justamente baratear a carne deste peixe para competir com o frango no gosto popular.

Uma vez que o projeto já recebeu um estudo de viabilidade, a superintendente do Ministério da Pesca na Bahia, Sílvia Cerqueira, esteve no local para dar aval oficial. Procurada pela revista, Sílvia não quis comentar. Oficialmente, o Ministério da Pesca afirma que não existe ainda nenhum convênio com a Fazenda Nova Canaã.

Desde sua criação, já foram investidos cerca de 44 milhões de reais na Fazenda. Curiosamente, a região de Irecê sofre com a seca, por isso a cidade onde fica a ONG da IURD só receber água do rio por meio de adutora. Os técnicos que atuaram no programa federal Territórios da Cidadania, questionam a viabilidade de um empreendimento hídrico na região.  Mesmo assim, os pescadores locais temem que o apoio do ministério da Pesca faça do local uma potência produtora e passe a competir com eles.




Deixe seu comentário!