Janot vai unificar investigações do caso Feliciano

Procuradoria Geral da República junta acusações de Patrícia Lelis e suposta tentativa de extorsão por parte da jovem


Janot vai unificar investigações do caso Feliciano

As duas frentes de investigações do caso envolvendo o deputado federal Marco Feliciano (PSC/SP) serão unificadas. A decisão é do procurador-geral, Rodrigo Janot. Em Brasília o parlamentar é acusado pela jornalista Patrícia Lelis de agressão e tentativa de estupro. Já em São Paulo a investigação é sobre a suposta tentativa de extorsão por parte da jovem contra o parlamentar.



A Procuradoria Geral da República (PGR) já recebeu o boletim de ocorrência e aguarda a conclusão do inquérito aberto em São Paulo. Segundo Janot, os dois casos, por envolverem o nome do deputado, precisam ser remetidos ao Supremo Tribunal Federal (STF), uma vez que Feliciano tem foro privilegiado. Antes de decidir se apresenta um pedido formal ao STF para investigar o parlamentar, todo o material será analisado.

A vice-líder do PT, Érika Kokay (DF), reuniu-se com Janot e revelou que a situação deve ser investigada como uma só. Com isso, torna-se sem efeito o indiciamento de Patrícia Lélis por denunciação caluniosa e extorsão feito pela Polícia Civil de São Paulo. Sendo assim, o procurador-geral da República pode tomar dois caminhos: enviar o pedido de abertura de inquérito à corte ou determinar o arquivamento, caso entenda que não existam indícios suficientes para o deputado ser investigado.


  Programa que ensina a Bíblia vira febre na Internet


Metirosa compulsiva

Nos últimos dias, o delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP) de São Paulo anunciou que há um laudo psicológico feito em Brasília anos atrás que diagnosticou Patrícia como ‘mitomaníaca’. “Ela é mentirosa compulsiva”, explicou o delegado à imprensa.



laudo patricia lelis

O advogado de Patrícia, José Carlos Carvalho, abandonou o caso. A nova defensora, Rebeca Novaes Aguiar, confirmou que uma psicóloga identificou que sua cliente pudesse sofrer de “mitomania”, mas essa não era uma análise conclusiva.



O psiquiatra forense Guido Palomba explica que mitomania não tem cura, mas pode ser tratada. “Transtornos de personalidade são incuráveis. É uma perturbação de saúde mental”, assegurou.

Feliciano sempre negou todas as denúncias feitas por Patrícia, afirmando que com o tempo ficará provado que as acusações não passam de “engodo” e “mentira”. O PSC, sigla a que pertence também o pastor Everaldo, acusado por Patrícia de tentar comprar seu silêncio, anunciou que entraria na Justiça contra a jovem.




Deixe seu comentário!