Árvores para lenha do altar do Terceiro Templo são plantadas

Iniciativa do Sinédrio segue tradição bíblica


Lenha para o altar do Terceiro Templo é plantada

O novo Sinédrio – instituído nos últimos anos em Israel – está restabelecendo o chamado “bosque do Templo”, iniciando o plantio das árvores que fornecerão produtos usados nas ofertas e também a lenha queimada nos sacrifícios.

O rabino Hillel Weiss, porta-voz do Sinédrio, explicou que o Templo era um elemento central para o Israel dos tempos bíblicos, uma nação basicamente agrícola, fortemente ligada à sua terra. “Quando as pessoas pensam em sacrifícios, lembram só de animais e sangue”, sublinha Weiss. “Mas a maioria dos sacrifícios eram, de fato, de plantas, cultivadas em diferentes partes de Israel.”

Muitos dos elementos usados durante as cerimônias de culto diárias do Templo eram produtos agrícolas – grãos, legumes, frutas – com funções específicas. Por exemplo, azeite de oliva era usado como parte de vários sacrifícios, puro ou na confecção dos “bolos”. O vinho seja bebido ou para libação, era produzido de videiras cultivadas usando um método específico.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


O rabino destacou que mesmo alguns aspectos menores do serviço do Templo exigiam vastos recursos agrícolas. “O Talmude (tradição) afirma que o Cordeiro da Páscoa devia ser assado na vara de uma árvore de romã”, lembra. “Quando o Templo for construído, precisaremos de milhões dessas varas. Na semana passada, plantamos 30 árvores de romã. Este é claramente um pequeno passo, mas progredimos na preparação de tudo que precisaremos depois que o Templo for construído”.

Outro aspecto a ser lembrado é que no altar sempre deve haver três pilhas de madeira. A primeira é usada para queimar os sacrifícios de animais; a segunda para produzir carvões usados na queima do incenso e a terceira alimenta o fogo perpétuo do altar. Tudo segue minuciosamente as instruções da Bíblia e a milenar tradição judaica.

O capítulo 6 de Levítico explica que era tarefa dos sacerdotes colocar madeira para queimar todas as manhãs. Isso era considerado parte dos sacrifícios. No período do Segundo Templo, a madeira era fornecida como uma oferta anual, conforme Neemias 10:35.

São muitas plantas diferentes necessárias para o Templo e cada uma exigem condições especiais de cultivo. Os novos bosques do templo estão dispersos pelo território de Israel, observando as condições adequadas para cada planta.

Nas colinas de Hebron foram plantados 30 cedros do Líbano e várias árvores de romã. Em Kochav Hashachar, na beira do Vale do Jordão, foram plantadas centenas de vinhas cercadas por Cedros. Em Shaarei Tikvah, na Samaria, será produzida a canela, um dos 11 ingredientes do incenso do Templo. Sete tamareiras foram plantadas no deserto do Negev visando a produção da oferta de Shavuot [Tabernáculos] .

Segundo o Sinédrio, a ideia de ser ter uma bosque dedicado ao Templo é inspirada no relato de Abraão plantando uma bosque em Berseba (Gn 21:33).

O rabino Weiss explica que esse é um gesto muito significativo por que o país experimentou grandes incêndios no final do ano passado, que queimaram milhares de árvores. Existem várias iniciativas de reflorestamento em solo israelense. “O Templo, como uma Casa de Oração para todas as Nações, foi concebido como um tikkun (instrumento de correção) para o mundo inteiro. Recomeçar a tradição de termos plantas em Israel dedicadas à manutenção do Templo também serve de exemplo para conservarmos essas plantas em outros lugares “, finaliza.




Deixe seu comentário!