Marcos Pereira é denunciado por crime ambiental

Ele teria autorizado o desmatamento de uma área equivalente a 11 campos de futebol


Marcos Pereira é denunciado por crime ambiental

O Ministério Público Federal denunciou o pastor Marcos Pereira por crime ambiental. O fundador da igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD) seria o responsável pelo desmatamento em uma área que equivale a 11 campos de futebol dentro e no entorno da Reserva Biológica do Tinguá, no Rio de Janeiro.

O espaço foi desmatado com o objetivo de se construir um heliporto e uma residência dentro da Fazenda Vida Renovada, instituição que pertence à ADUD.

O desmatamento teria sido feito em 2004 e só denunciado pelo MPF no dia 13 de novembro deste ano. O procurador Renato Machado, responsável pela denúncia, disse que o pastor se defende da acusação dizendo que os danos ambientais já existiam antes mesmo dele adquirir o imóvel.


  Psicólogo ajuda cristãos a vencer o vício da pornografia


Contudo, o Ministério Público conseguiu testemunhas que acusam o líder religioso de ter autorizado o desmatamento. O heliporto não chegou a ser concluído, pois a obra foi embargada e o IBAMA aplicou uma multa de R$150.000,00.

O MPF também denunciou a própria ADUD e quer que ela recupere a área degradada e devolva parte da reserva que está dentro dos limites da propriedade da Fazenda Vida Renovada. Se a denominação cumprir com essa exigência poderá ter a “suspensão condicional do processo”.

A fazenda é usada como abrigo para dependentes químicos e ex-presidiários que querem mudar de vida, todas as atividades ali oferecidas são financiadas pelas ofertas dos fiéis.
O processo contra Marcos Pereira vai correr na Justiça e se ele for condenado poderá pegar entre um e cinco anos de prisão. O religioso está preso desde maio por acusações de estupro e foi condenado a 15 anos de prisão por este crime.

O jornal Extra tentou encontrar um representante da ADUD para comentar as novas denúncias, mas não teve retorno.




Deixe seu comentário!