Marcos Pereira desiste de denúncia contra líder do AfroReggae

Ele acusava José Júnior de injúria e difamação por ligá-lo ao crime organizado do Rio de Janeiro


Marcos Pereira desiste de denúncia contra líder do AfroReggae

O advogado do pastor Marcos Pereira esteve na audiência do processo movido pelo religioso contra o coordenador do AfroReggae, José Júnior, para apresentar a desistência da ação movida de injúria e difamação.

A audiência de instrução aconteceria nesta terça-feira (24) no Fórum Central do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). O religioso acusava José Júnior de mentir ao dizer que ele estava envolvido com o tráfico de drogas do Rio, além de praticar o crime de lavagem de dinheiro e ser o mandante de quatro homicídios.

Marcos Pereira está preso desde 8 de maio no complexo de Bangu e nas últimas semanas foi condenado a 17 anos de prisão por ter estuprado fiéis da igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD). Os casos de estupro apareceram durante o processo aberto por José Júnior e o ex-pastor da ADUD Rogério Menezes.

Entre as acusações apresentadas por eles está que a igreja seria usada por traficantes para esconder armas, enquanto o líder religioso mantinha acordo em esconder criminosos que aceitassem depor em seu favor para afirmar que ele, e a igreja, ofereciam o serviço de ressocialização de bandidos e usuários de drogas.

Outra denúncia feita pelos dois homens seria que em 2006, mesma data dos estupros, o pastor Marcos Pereira teria levado informações de presidiários para as comunidades durante os ataques contra civis e policiais nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

A defesa do pastor nega todas essas acusações e os fiéis da igreja estão se manifestando através de vídeo para dizer que a ADUD jamais foi usada para esconder drogas e que os projetos sociais realmente resgatam criminosos e dependentes químicos, muitos deles aparecem nos vídeos. Com informações Terra.




Deixe seu comentário!