MENU

Ministério de Billy Graham é criticado por evangelizar crianças muçulmanas

Campanha de doação de brinquedos para o Natal foi tachada de "proselitismo antimuçulmano"


Franklin Graham
Franklin Graham prepara presentes para crianças carentes. (Foto: Divulgação)

Há décadas a Bolsa do Samaritano, ministério de ação social da Associação Evangelística Billy Graham (AEBG), realiza anualmente o projeto “Operação Natal Infantil”, onde recolhe doações para enviar doações de brinquedos e material evangelístico para milhares de crianças em todo o mundo.

Presidida por Franklin Graham, que sucedeu o pai, a Bolsa do Samaritano está enfrentando uma campanha de boicote por conta das declarações de seu líder.

Leia mais

O jornal The Guardian, conhecido por sua postura política à esquerda, vem pedindo que as pessoas não doem presentes para uma organização que “possui sentimentos anti-muçulmanos e anti-homossexuais”.

Franklin respondeu em nota oficial que a ação da Bolsa do Samaritano é “destinada a celebrar o verdadeiro significado do Natal – o nascimento de Jesus” e que não possui qualquer função política.

“Nosso objetivo é mostrar o amor de Deus de uma forma tangível para crianças carentes em todo o mundo. Fazemos isso distribuindo milhões de presentes para crianças afetadas por guerras, doenças, desastres, pobreza e fome, para que elas saibam que não foram esquecidas”, disse o documento.

A postura do The Guardian encontrou eco em ativistas que reclamam dos “fundamentalistas” e não querem que livros com histórias da Bíblia façam parte das caixas de sapato, pois isso seria “ofensivo” aos não cristãos.

No ano passado, um movimento similar de boicote pedia que não fossem feitas doações à Bolsa do Samaritano por que a missão evangélica opunha-se ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.



Assuntos: , , ,


Deixe sua opinião!