MENU

Ministro da Educação reconhece que Enem “tem exageros”

“Ideologização não pode ter em escola”, defende Rossieli Soares


Rossieli Soares
Ministro da Educação, Rossieli Soares. (Foto: Agência Brasil)

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) que foi aplicado no último domingo (04) acumula críticas tanto de estudantes quanto de especialistas devido ao seu evidente aspecto ideológico à esquerda.

A questão que falava sobre “dialeto secreto” dos travestis e gays, por exemplo, pedia algo que   os candidatos não aprenderam em sala de aula. Além disso, havia perguntas que criticavam o agronegócio, essencial para o país.

Leia mais

O ministro da Educação, Rossieli Soares, finalmente veio à público e reconhece que há temas que não deveriam existir na avaliação. “Reconheço que tem exageros. Não faria prova assim. Não se precisa trabalhar assim”, admitiu ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

Segundo ele, “Ideologização não pode ter em escola. Defendo isso seja da direita ou esquerda, de qualquer viés”.

O ministro, que agora será o próximo secretário da Educação do Estado de São Paulo, defendeu que o conteúdo do ENEM deveria ser repensado.

“O processo precisa ser revisto. Mudar a matriz do Enem a partir da Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio é mudar todo o processo. Mudar isso vai ser importante ao Brasil”, assegurou.

Soares destacou que o Brasil “não tem ainda a Base Nacional Comum Curricular no ensino médio, só no fundamental. Ensino médio precisa passar por essa depuração”, disse.

Concluiu dizendo que nos próximos anos deveria haver mudanças. “Tem que ter pluralismo de ideias. Se houver viés que não olhe como forma positiva o agronegócio, por exemplo, que é fundamental ao nosso País, seria viés absolutamente errado. Procedimento precisará ser revisto… à luz da base nacional e do país que a gente quer ser.”



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!