MENU

Missionários alcançam tribos “escondidas” há 500 anos

Final Frontiers leva o evangelho à etnia Tolupan, de Honduras


Final Frontiers
Final Frontiers em Rio Arriba. (Foto: God Reports)

Nos últimos seis anos, a missão Final Frontiers tem ministrado aos índios Tolupan, de Hondura. Eles são considerados o último “grupo de não alcançados” naquele país.

Várias organizações cristãs já tentaram levar o evangelho a eles, mas as aldeias mais remotas nas montanhas permaneciam alheias ao mundo moderno. “Ninguém visitou todas as 45 aldeias que estão no alto das montanhas, acessíveis apenas por trilhas de mulas”, diz John Nelms, fundador da Final Frontiers.

A maioria só visitou as duas aldeias “acessíveis” desta tribo, que está dividida, explica o experiente missionário. As dificuldades vão além da geografia. “Em grande parte eles não aceitam estrangeiros com medo de sermos outra leva de conquistadores brancos, que, como fizeram nossos predecessores, vieram pilhar, estuprar, assassinar … e escravizá-los.”

Em várias ocasiões, quando um estrangeiro se aproximou, os Tolupan ateavam fogo em sua aldeia e fogem para as montanhas. “Tem sido assim há cerca de 500 anos”, reitera Nelms.

Somente agora a Final Frontiers está conseguindo evangelizar completamente os tolupans que vivem nessas aldeias remotas. “Em breve eles passarão de não alcançados a saturados com o Evangelho!”, comemora.

O ‘segredo’ para isso foi a amizade feita com alguns chefes do passado de ambos os ramos. Foi assim que os missionários receberam permissão para viajar a cada aldeia para pregar e distribuir materiais cristãos a todas as famílias da tribo.

Como já existiam alguns homens da tribo “acessíveis”, que se converteram no passado, eles irão acompanhar a Final Frontiers como guias, tradutores e protetores.

“A maioria dos tolupans não fala bem o espanhol. Nas aldeias principais de San Juan e Ceiba, alguns conseguem se comunicar na língua dos brancos, mas nas aldeias remotas não há ninguém”, diz Nelms, que vive há anos na região e diz que as comunidades não evangelizadas variam muito, com populações de 30 a 30.000.

Em junho deste ano, o missionário diz que Deus colocou em seu coração que ele deveria distribuir comida em uma aldeia chamada Rio Arriba. “Nós rapidamente fizemos novos amigos e parecia que a fila de famílias que saía da floresta era interminável. Mas Deus havia providenciado que tínhamos exatamente o número de sacos de comida que eram necessários”, comemora.

Quando já havia um bom número, foi feita uma pregação com apelo. “No final, alguns indicaram que queriam seguir a Cristo e três senhoras falaram com nosso líder da juventude, Ricky Torres, pedindo nossa presença fixa. Ricky me chamou e eles apontaram para um pequeno pedaço de terra vazia no centro da aldeia e disseram: “nós lhe daremos esta terra para uma igreja”.

Nelms, porém, disse que preferia começar as reuniões em alguma casa. “Imediatamente, todas as três senhoras ofereceram suas casas. Rio Arriba está abrindo o caminho para a plantação de igrejas de uma maneira inédita na região.

Embora as pessoas da aldeia não lhe pediram nada, ficou evidente para Nelms que elas precisavam de comida, roupas, facões e enxadas para a agricultura, vitaminas e suprimentos médicos.

“Faremos o nosso melhor para começar esta igreja e levá-los até a maturidade espiritual, como nossa missão vem fazendo em todo o mundo há 32 anos. Já contamos com mais de 250 mil igrejas. Alguns não acreditavam, mas estou seguro que veremos muitos tolupans no céu!”. Com informações de God Reports



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!

Mais notícias