MENU

Muçulmanos decapitam cristãos e desafiam Trump

Jihadistas do Al-Shabab atuam na Somália e no Quênia


Al-Shabab
Al-Shabab

Com a derrota do Estado Islâmico no Iraque e a perda de quase todo o seu território na Síria, novos grupos extremistas parecem querer “herdar” a fama de ameaça mundial. Os jihadistas do Al-Shabab, sediado na Somália, decapitaram nove cristãos em um ataque no interior do vizinho Quênia.

As autoridades quenianas afirmam terem preocupações que o grupo tenha decido adotar uma “nova e sangrenta estratégia”. O ataque ocorreu na vila de Jima, no condado de Lamu.

Leia mais

Segundo o depoimento de um pastor local, os soldados foram de casa em casa exigindo que os moradores se identificassem e aqueles que afirmavam ser cristãos, eram mortos. Essa foi uma ação deliberada, com o objetivo sendo anunciado publicamente.

Não é a primeira vez que os soldados da Al-Shabab promovem decapitações de “infiéis”, mas elas parecem ser parte de uma estratégia de gerar insegurança às vésperas das eleições presidenciais do Quênia no próximo dia 8.

Sabidamente, os jihadistas são ligados à al-Qaida e desde o ano passado vem sendo considerado o grupo extremista islâmico mais mortífero da África, tendo matado 4200 pessoas somente no ano passado.

Especialistas acreditam que os ataques recentes são uma demonstração de força, pois o Quênia está entre os cinco países que enviaram tropas para ajudar o governo da Somália a combater a insurgência de Al-Shabab.

Ameaça aos EUA

Ao mesmo tempo em que mata cristãos, o Al-Shabab está ameaçando o presidente Donald Trump, após ele ter declarado uma “guerra contra o Islã”. Em um vídeo postado na internet esta semana, os jihadistas o chamam de o “presidente mais estúpido que um país já teve” e de “bilionário sem cérebro”.

O presidente queniano Uhuru Kenyata lançou recentemente uma ofensiva contra os terroristas islâmicos e teve a ajuda dos EUA.

O objetivo declarado do grupo extremista é combater os “inimigos do Islão”. Além da Somália e do Quênia, ele tem agido no Iêmen, um país que se encontra atualmente em guerra civil. Com informações Christian Post




Deixe seu comentário!


Mais notícias