CGADB não aceita, mas convenções regionais já ungem mulheres como pastoras

Ao contrário de muitas igrejas, a CGADB ainda não reconhece o ministério feminino


Mulher pode ser pastora? Discussão entra em pauta na Assembleia de Deus

Enquanto muitas igrejas aceitam a ordenação feminina, denominações com a Assembleia de Deus do Belém e Igreja Universal não consagram mulheres como pastora, apenas missionárias ou obreiras. O assunto é polêmico e levanta um debate que já dura por décadas. Mas apesar disso, no Brasil temos muitas bispas, pastoras e até mesmo uma apóstola como é o caso de Valnice Milhomens que foi ungida em 2001.

No time das mulheres pregadoras podemos ainda citar o nome da Bispa Sônia Hernandes, da Igreja Renascer em Cristo, a primeira mulher a ser ungida como bispa no Brasil, posto hoje ocupado por centenas de mulheres em diversas denominações.

Hoje algumas Assembleias de Deus até reconhecem a ordenação de mulheres, como é o caso da Assembleia de Deus Madureira que reconheceu a cantora Cassiane como pastora. Atitude que abriu caminho para que outras mulheres do ministério também recebessem o título.


  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!


Mas na Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB) esse assunto não entra em pauta, o presidente pastor José Wellington Bezerra da Costa e toda a diretoria da maior denominação evangélica do país não concorda com o tema e opta em não aceitar mulheres como pastoras em todas as suas igrejas, assunto já tratado na convenção geral de 2001.

Por outro lado algumas convenções regionais já começam a aprovar o ministério pastoral das mulheres, tanto que a  Convenção das Assembleias de Deus do Distrito Federal aprovou recentemente a consagração de pastoras. O projeto foi aprovado depois de muito debate e 70% dos correligionários (1,5 mil membros) decidiram em aceitar a ordenação feminina e até 2012 50 mulheres deverão ser avaliadas para o cargo.

Com informações Verdade Gospel




Deixe seu comentário!