Museu usa robôs animados para contar a história da criação

Baseado na Bíblia o espaço foi criado por um australiano que investiu 27 milhões de dólares


Robô de Noé discute detalhes da arca
Robô de Noé discute detalhes da arca

Quem estiver visitando o Estado de Kentucky, nos Estados Unidos, poderá visitar um museu diferente que tem chamado a atenção de todo mundo. Trata-se do Museu da Criação criado pelo australiano Ken Ham que tem como objetivo divulgar o criacionismo.



O espaço montado na cidade de Petersburg custou 27 milhões de dólares, mas o alto custo é explicável: ele usou robôs animados para narrar a história da criação do mundo.

No passeio você vai encontrar cenas como a de Adão e Eva no Jardim do Éden, Noé construindo sua arca e outras passagens. Um jornalista que visitou o local chegou a tecer uma crítica dizendo que o museu é muito perigoso, pois pode fazer com que as crianças acreditem nele.


  Programa que ensina a Bíblia vira febre na Internet


Mas o ideal do fundador do Museu da Criação realmente é mostrar que ele acredita no criacionismo, a teoria que prega que o planeta Terra foi criado por um “designer inteligente”, no caso Deus, e não pela versão do evolucionismo que acredita na teoria do Big Ben.



Ham declarou aos jornais locais que não é possível saber ao certo há quantos anos o universo foi criado, mas que ele usa o “registro do livro de História do Universo”, a Bíblia para prova suas teorias.



Com informações Revista Galileu




Deixe seu comentário!