“Eu não consigo mexer o facão!”, disse jihadista que tentava degolar padre

Sacerdote iraquiano testemunha livramento


"Eu não consigo mexer o facão!", disse jihadista que tentava degolar padre

O padre Abuna Nirwan é um franciscano que nasceu no Iraque e, antes de ser ordenado sacerdote, estudou medicina. Em 14 de julho de 2007 ele foi visitar sua família naquele país, mal sabia a experiência de fé que vivenciaria.

Devido a proibição para viagens de avião, o religioso pegou um táxi com destino a Bagdá, e posteriormente se deslocaria a Mossul, onde seus pais residiam.

O motorista que era cristão tinha receio por causa da situação no Iraque. A viagem seguiu até a fronteira entre a Jordânia e o Iraque, que só abre quando amanhece. Com o dia iniciando, uma fila com aproximadamente sessenta carros foi avançando lentamente, todos juntos.

A viagem prosseguiu e depois de mais de uma hora, chegaram a um lugar onde estavam realizando uma inspeção. “Preparamos os passaportes. O motorista nos disse: Tenho medo desse grupo”. Antes o local era um posto militar, mas uma organização terrorista islâmica havia matado os militares e tomado o controle da região.

Ao chegarem, os passaportes foram solicitados sem que saíssem do carro. Os documentos foram levados a um escritório, e no retorno a pessoa se dirigiu ao clérigo. “Padre, vamos continuar a investigação. Podem ir até o escritório mais à frente. Depois já é o deserto”. Abuna acatou o pedido e junto com outros passageiros do táxi caminharam por quinze minutos até chegar à cabana que eles se referiam.

Ao chegar no local, saíram dois homens de rosto coberto. Um deles tinha uma câmera em uma mão e um facão na outra. O outro com barba grande estava segurando o alcorão. Chegaram até o grupo e perguntaram: “Padre, de onde está vindo?”. Ele respondeu que vinha da Jordânia. Depois a mesma pergunta foi feita ao motorista. Em seguida um rapaz que os acompanhava na viagem, foi agarrado por trás com os braços, sendo assassinado com um facão.

Neste momento Nirwan já premeditava seu destino. Suas mãos foram amarradas por trás das costas, quando o terrorista comentou que estava gravando um vídeo para a Al-Jazeera. “Quer dizer algumas palavras? Tem menos de um minuto”. O padre apenas disse que desejava orar, e um minuto de prece foi concedido. “Depois um deles me empurrou pelo ombro para baixo até eu ficar de joelhos”.

O ofensor, após constatar que se tratava de um religioso cristão, pegou um balde para degolar Abuna. “Você é clérigo. É proibido que o seu sangue caia no chão porque é sacrilégio”.

Sentindo muito medo Nirwan determinou. “Se é preciso que nosso Senhor me leve ainda jovem, estou pronto. Mas, se não é, eu te peço que ninguém mais morra”, lembrando das pessoas que estavam juntas a ele.

O terrorista pegou a cabeça de Abuna, segurou seu ombro com força e ergueu o facão. Uns instantes de silêncio e de repente ele perguntou ao padre: “Quem é você? E por que eu não consigo mexer o facão? Quem é você?”.

Sem espaço para resposta o carrasco ordenou que o padre e todos que o acompanhavam retornassem ao carro. “Daquele momento em diante, eu perdi o medo da morte. Sei que um dia morrerei, mas agora é mais claro que vai ser só quando Deus quiser.”

Desde aquele momento, o frade não tem medo de nada e nem de ninguém. Acredita que sua vida está nas mãos de Deus. “O importante é ter fé. Deus cuida dos que acreditam n’Ele”, encerrou. Com informações de Aleteia




Deixe seu comentário!