“Não culpe os muçulmanos pela esfriamento cristão na Europa”, pede cardeal

Christoph Schönborn pede que cristãos parem de vender suas igrejas


"Não culpe os muçulmanos pela descristianização da Europa"

Um importante cardeal católico europeu pede que cristãos não culpem os muçulmanos por querer “islamizar” a Europa. Em vez disso, deveriam trabalhar mais para encher suas igrejas e parar de vendê-las para que sejam convertidas em mesquitas.

Em entrevista recente, o cardeal da Áustria, Christoph Schoenborn, 71 anos, cujo nome foi aventado como um dos sucessores do papa, asseverou: “Quando vemos que as mesquitas estão sempre cheias e as igrejas quase sempre vazias, não podemos culpar os muçulmanos por querer islamizar a Europa. Deveríamos nos censurar por não trabalhar o suficiente para que a Europa continue sendo cristã”.

Schönborn diz que não gostaria de ver a Catedral de São Estevão – a principal do país – se tornar uma mesquita. “Queria que ela permanecesse como um local de adoração, um lugar de oração e não apenas uma atração turística para cinco milhões de turistas por ano”, lamenta.

Analisando o que parece uma tendência mundial, insiste que uma série de antigos locais de culto cristão acabaram vendidos e transformados em mesquitas. Para o cardeal, os cristãos são os principais responsáveis por isso e que poderia ser revertido, caso os europeus fossem mais fiéis.

A maior queixa do cardeal é que a questão dos refugiados se tornou uma questão-chave, mas não é justo dizer que todos eles são terroristas. Reconhece ainda que muitos ataques terroristas foram praticados em nome de Alá. Mas, para o líder religioso, isso não significa que o crime deixou de ser crime e os que agem de modo errado devem ser responsabilizados.

“O medo da islamização da Europa não faz sentido… Quando uma igreja é vendida na Holanda e transformada em um supermercado, isso mostra que os supermercados são mais importantes para nós que as raízes cristãs da Europa. Portanto, não deveríamos ficar surpresos com a descristianização da Europa. Só que não é culpa dos muçulmanos”.

“Já temos 200 lugares islâmicos de oração em Viena. Temos mesquitas que antigamente eram catedrais na Espanha”, avalia. Voltando no tempo, lembrou que a principal Catedral católica de Damasco, na Síria, foi transformada em mesquita, e há antigos templos hindus na Índia, que hoje são mesquitas.

“A concorrência entre as religiões é tão antiga quanto o mundo. Estou satisfeito que os muçulmanos possam exercer livremente a sua religião aqui [a Europa], mas também gostaria de ver os cristãos na Arábia Saudita e outros países de maioria islâmica praticando sua religião livremente”, assegura. Com informações Christian Today




Deixe seu comentário!