MENU

Netanyahu diz que acusações de que Israel apoia terroristas são “absurdas”

A retórica de acusar Israel de terrorismo parece estar crescendo


Benjamin Netanyahu
Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, respondeu ao presidente iraniano após Hassan Rouhani ter acusado Israel de influenciar a guerra civil síria com seus ataques a posições militares apoiadas pelo Irã.

“Não há limite para esse absurdo”, afirmou Netanyahu em um comunicado publicado no Twitter. “O regime terrorista iraniano, que espalha seus tentáculos de terror por toda a região acusa Israel do terrorismo”, disparou o premiê. Escreveu ainda que “Se Rouhani não tem conhecimento das atividades terroristas e sabotagens realizadas diariamente pela Força Quds iraniana na Síria, Israel ficará feliz em mostrar a ele”.

Pouco antes de participar da reunião na capital turca hoje, com os presidentes Vladimir Putin (Rússia) e o Recep Erdogan (Turquia), Rouhani reclamou de uma “interferência das forças sionistas na Síria, que aumentou os problemas. Eles não respeitam a soberania nacional síria. Eles bombardeiam áreas na Síria. Eles apoiam terroristas”.

Durante a cúpula na capital turca, os três líderes discutiram a situação do Oriente Médio e o futuro da Síria, devastada por 7 anos de guerra. Em um comunicado conjunto, emitido no final de sua reunião, afirmaram seu compromisso de trabalhar para alcançar o cessar-fogo entre as partes conflitantes na Síria e enfatizaram sua determinação em continuar cooperando “para finalmente eliminar” os grupos terroristas, além de pedir maior investimento internacional na reconstrução da Síria.

A retórica de acusar Israel de terrorismo parece estar crescendo, estranhamente vindo de líderes islâmicos que tem histórico de patrocínio a grupos reconhecidamente terroristas.

Nos últimos meses, Israel realizou ataques intermitentes a comboios de armas enviadas pelo Irã ao grupo terrorista Hezbollah, que jurou a destruição do Estado judeu. O Estado Judeu também bombardeou posições militares iranianas em território sírio. Todas as movimentações militares no país vizinho foram justificadas pela percepção de serem potencialmente perigosas contra sua soberania.

Além do Irã, a Turquia chamou Israel de “Estado terrorista” após os embates com a marcha de milhares de palestinos na fronteira com a Faixa de Gaza, que resultou em 17 mortos. Destes, 10 eram ligados ao grupo terrorista Hamas. Com informações de Times of Israel



Assuntos:


Deixe seu comentário!

Mais notícias