O Ocidente está em guerra com o islã, afirma Franklin Graham

Pastor diz que não teme críticas por pregar sobre a condenação eterna dos que não reconhecerem a Jesus como Salvador


"O Ocidente está em guerra com o islã"

Filho de Billy Graham e herdeiro do ministério do pai, Franklin Graham chega ao Reino Unido esta semana debaixo de críticas. Em entrevista ao jornal Daily Mail, ele voltou a fazer declarações contundentes, dizendo que “o Ocidente está em guerra com os Islã e corre o risco de perder o direito à liberdade de expressão”.

Diferentes grupos religiosos evangélicos e islâmicos tentaram impedir que Franklin fizesse sua cruzada na Inglaterra, alegando que ele defende um “discurso de ódio”. Nos Estados Unidos ele sofre grande pressão por ser um dos principais defensores do presidente Donald Trump, de quem é amigo pessoal.

Em diferentes momentos ele disse que o Ocidente, em especial os EUA, estava “sendo atacada por muçulmanos”. Ao Daily Mail, explicou que não tem medo de não agradar a todos por não ser politicamente correto.

“Isso é verdade. Nossa nação foi atacada no 11 de setembro em nome do Islã. Eles derrubaram o World Trade Center e atingiram o Pentágono, matando pessoas… A guerra que vivemos desde então é contra o Islã, seja em nome do Estado Islâmico ou da Al Qaeda ou qualquer outro grupo assim. E essa guerra continua. Isso é um fato”, justifica.

Embora não acredite que todos os muçulmanos são terroristas, pois “existem milhões e milhões deles que não apoiam o Islã radical e querem simplesmente viver suas vidas em paz”, sua avaliação é que o Ocidente está em guerra com o Islã “de modo geral”. Completou lembrando: “Também tivemos muitos ataques aqui [na Europa] em nome do Islã”.

Para o pastor, esse não é o único problema a ser enfrentado. Ele disse que o presidente russo Vladmir Putin estava certo em “aprovar leis impedindo que as crianças sejam expostas à propaganda ideológica gay”.

“Eu acho que Putin tem razão em proteger as crianças e deixá-las tomar essa decisão, se quiserem, quando foram adultos”, disse ele.

Questionado sobre a tentativa de impedirem que ele pregue no “Festival da Esperança” de Lancashire, programado para acontecer em setembro, Franklin lembrou que a petição online foi ideia de grupos islâmicos e evangélicos liberais, por isso não há surpresa. “Corremos perigo, na civilização ocidental, de perdermos nossa liberdade de expressão. Esta foi uma grande conquista para as sociedades ocidentais: a liberdade de falarmos o que pensamos”.

Também não considera justas as críticas feitas a ele por pregar que na Bíblia existe uma condenação eterna àqueles que não reconhecerem a Jesus (como Salvador).

Sobre Trump, Franklin reconhece que o presidente tem falhas, mas acredita que as críticas constantes são uma tática de movimentos de esquerda, que está dando certo. Ele admite que o presidente teve vários casamentos e se meteu em negócios ‘duvidosos’ no passado, mas acredita que “O povo não estava elegendo um pastor. Percebemos que ele é moralmente frágil. Como todos nós somos”. Mas não poupa críticas aos democratas e à mídia em geral.

“Eu acho que esse pessoal da esquerda, bem, eles são socialistas e querem ver um sistema socialista… Enquanto a maioria dos membros do partido que estava no poder nos últimos anos vive muito bem enquanto continuavam taxando e tributando os mais pobres. Até que chegou Donald Trump e disse que ia baixar os impostos. E como está dando certo, contraria tudo que eles diziam. Não pode haver dúvida que o presidente está enfrentando um ataque orquestrado da mídia e das esquerdas”.




Deixe seu comentário!