MENU

“Os ateus não têm o monopólio da ciência”, lembra o teólogo Alister McGrath

“Precisamos tanto da ciência quanto da fé para nos ajudar a entendermos quem somos, por que estamos aqui e o que devemos fazer”, afirma o professor.


Alister McGrath
Alister McGrath

O teólogo Alister McGrath, que é formado em biofísica, conhecido por seus livros de apologética, deu uma longa entrevista a um programa de rádio na Inglaterra esta semana. Ele aponta que “sem dúvida nossa cultura se voltou para uma maneira ateísta de pensar”. Em grande parte, isso ocorre por causa das universidades, onde questões de fé geralmente não são bem-vindas.

McGrath disse que viveu uma “fase ateísta” quando estudava na conceituada Universidade de Oxford. “Eu acreditava que a ciência e o ateísmo andavam de mãos dadas. No entanto, quando passei a investigar a história e a filosofia da ciência, descobri rapidamente o quanto essa visão era superficial”.

Leia mais

Após meses se dedicando à pesquisa das religiões, ele se converteu ao cristianismo e prosseguiu nos estudos, até concluir o pós-doutorado em biofísica molecular. “A ciência simplesmente tenta oferecer uma explicação do mundo natural. Isso não é ateísmo, simplesmente é algo não espiritual, no sentido em que deixa Deus fora das coisas, como uma questão de princípio.”, conta.

Para o erudito, que é o professor da cadeira de Teologia, Religião e Cultura, na King’s College de Londres, “Isso não é realmente um problema. Os ateus não têm o monopólio da ciência. Cientistas cristãos podem facilmente colocar Deus de volta em sua percepção do universo, argumentando que isso faz muito mais sentido do que o não teísmo”. Para ele, “Se pudermos pensar apenas em termos de respostas naturais, as melhores respostas científicas às questões sobre o universo acabarão reduzindo-se: ‘É assim que as coisas são’. Ora, não existe um ponto de referência além da natureza, como o que é fornecido por Deus”.

O professor diz que abandonou o ateísmo por acreditar que “faz muito mais sentido que as outras alternativas”. Ele cita o teólogo William Inge (1860-1954) que afirmava: “O racionalismo tenta encontrar um lugar para Deus em sua imagem de mundo. Mas Deus … não pode ser colocado em um diagrama. Ele é mais como a tela do que a imagem pintada nela”.

O teólogo diz que Deus é uma explicação válida para o universo, pois “a fé está ligada ao reconhecimento de um ‘quadro maior’, que nos permite dar sentido à nossa experiência, da mesma maneira que um mapa dá sentido a uma paisagem. [A fé] Nos permite ver as coisas com mais clareza e entender como elas estão conectadas”.

Embora esteja ciente que não pode oferecer uma argumentação que convença a todos os cientistas, explica que “do ponto de vista da ciência, o universo surgiu por processos que realmente não entendemos e não temos como verificar. Não podemos ir atrás do big bang. Mas você pode ver como a doutrina cristã da criação se encaixa nisso, dando-nos uma explicação do porque o universo existe e não apenas um relato de como isso aconteceu”.

Ele oferece uma analogia para explicar seu raciocínio: “Uma das coisas que a ciência deixou bem claro é que os seres humanos procuram ativamente o significado para suas vidas. É assim que somos. Para os cristãos, significa que possuímos um ‘instinto de aproximação’ para o Deus que nos criou e quer que voltemos para ele. É como a busca de alimentos. Precisamos de alimentos para sobreviver, e há comida lá fora esperando a ser encontrada. É o mesmo com o significado. Nossa própria fome sugere que existe algo ‘lá fora’, pronto para ser descoberto. Precisamos de algo maior para dar sentido a nós mesmos e ao nosso mundo”.

Encerrou dizendo que, em seu novo livro Inventando o Universo, ele defende que “precisamos tanto da ciência quanto da fé para nos ajudar a entendermos quem somos, por que estamos aqui e o que devemos fazer. Os cristãos não inventaram um sentido para lidar com um mundo sem sentido. Nós discernimos o significado neste mundo que foi criado e é amado por Deus. E precisamos dessa visão para que possamos apenas existir, mas sobretudo viver”. Com informações Premier Christian Radio



Assuntos: ,


Deixe sua opinião!