Papa Francisco: “Liberdade cristã se contrapõe à pretensão totalitária marxista”

Pontífice criticou a “ideologia ateia” que é a base do comunismo


Papa Francisco
Papa Francisco

O papa Francisco assina o prefácio de um novo livro, que reúne textos de Bento XVI sobre questões de fé e política. O jornal italiano La Stampa divulgou em primeira mão o texto assinado pelo pontífice, que introduz o texto da obra “Libertar a liberdade – Fé e política no terceiro milênio”.

Francisco lembra que Bento XVI viveu “a experiência direta do totalitarismo nazista” e por isso conheceu “limites da obediência ao Estado em favor da liberdade da obediência a Deus”.

Afirma também que subscreve à “visão cristã dos direitos humanos capaz de colocar em discussão, em nível prático e teórico, a pretensão totalitária do Estado marxista e da ideologia ateia sobre a qual ele se fundava”.

Em um tom diferente do usado em homilias, que lhe renderam críticas por defender ideias típicas da Teologia da Libertação, de inspiração marxista, o líder mundial dos católicos fez várias declarações fortes no prefácio. Embora não use termos como “socialismo” e “comunismo”, frutos diretos do ideal marxista, ataca a raiz histórica do problema.

Por exemplo, estabelece um contraste entre o marxismo e o cristianismo, afirmando que não tem a ver com a “opção preferencial pelos pobres” nem com o “sentido de equidade e solidariedade”, mas o elemento principal é a “pretensão marxista de estabelecer o céu na terra”.

Seu texto critica também os “aparentes direitos humanos”, que seriam, na verdade, “orientados para a autodestruição do homem”. “O seu denominador comum consiste numa única, grande negação: a negação da dependência do amor, a negação de que o homem seja criatura de Deus”, destaca.

O pontífice lembra que há um perigo nas “reduções ideológicas do poder”. Para isso estabelece um “limite” para o cristão nesses casos. Encerra dizendo que “a defesa do homem e do humano contra as reduções ideológicas do poder passa hoje, novamente, pelo estabelecimento da obediência do homem a Deus como o limite da obediência ao Estado. Enfrentar este desafio, na verdadeira mudança da era em que vivemos hoje, significa defender a família”.

Proibição do comunismo

Karl Marx defendia que a religião “é o ópio do povo”. Seria como um entorpecente que servia para manter as massas sob o domínio dos poderosos, e por isso deveria ser destruída.

Ao longo da história, a Santa Sé se manifestou contra o marxismo de diferentes maneiras. O papa Pio XI declarava que “não se pode admitir de maneira alguma que os católicos adiram ao socialismo”. Na Encíclica DIVINIS REDEMPTORIS, de 1949, escreveu que o comunismo era “Peste mortífera, que invade a medula da sociedade humana e a conduz a um perigo extremo”.

Para ele, socialismo e catolicismo são termos contraditórios e que ninguém podia ser socialista e católico ao mesmo tempo.

Já em 1949, Pio XII publicou o Decreto Contra o Comunismo”, onde  respondia à pergunta: “É permitido ao católico votar no partido comunista ou favorecê-lo de alguma maneira?”. A resposta era negativa.  O documento também previa a excomunhão de quem se associasse às organizações de cunho comunista. Com informações de La Stampa





Deixe seu comentário!