Papiro que fala sobre a esposa de Jesus não é falso, dizem estudiosos

Não foi possível definir há quantos séculos o texto foi escrito e nem a sua origem, professor de egiptologia aponta para falsificação moderna


Papiro que fala sobre a esposa de Jesus não é falso

Pesquisadores americanos concluíram que o pedaço de papiro que contém uma menção à esposa de Jesus não é falso. O resultado da análise foi divulgado nesta quinta-feira (10) depois de quase dois anos depois da descoberta.

O fragmento tem escritos na língua copta (extinta no século XVII) o que leva os pesquisadores a acreditarem que o fragmento seja proveniente do Egito Antigo. No trecho traduzido é possível ler frases soltas como “Jesus disse-lhes:’Minha esposa…'” e em outra parte “Ela poderá ser minha discípula”.



O pedaço de papiro provoca polêmica desde quando foi encontrado. Em 2012 o Vaticano, pelo jornal “L’Osservatore Romano” chegou a declarar que se tratava de uma farsa e conseguiu contato com outros estudiosos que afirmavam o mesmo.

Quem desacredita da autenticidade do papiro afirma que a gramática apresentada é pobre e que o texto está borrado, além de não ter uma origem certa.

A Igreja Católica desacredita sobre o estado civil de Jesus, pois nenhum dos evangelhos se refere a Jesus como um homem casado e tendo mulheres como discípulos.



Apesar de todas as dúvidas, a Universidade de Harvard, através da Harvard Divinity School, atesta que não há evidências de falsificação. “Nenhuma evidência de fabricação moderna (“falsificação”) foi encontrada”, diz a análise.

Acredita-se que o papiro foi escrito entre os séculos VI e IX, mas também pode ser do século II. Nem mesmo o processo de radiocarbono e a análise de tinta por espectroscopia Micro-Raman conseguiram dar uma data exata para o documento.

“A equipe concluiu que a composição química do papiro e os padrões de oxidação são consistentes com papiros antigos, ao comparar o fragmento do Evangelho da Esposa de Jesus (Gospel of Jesus’ Wife – GJW, em inglês) com um fragmento do Evangelho de João”, apontou o estudo.

O papiro foi entregue à historiadora Karen King, da Harvard Divinity School, por um colecionador que pediu para permanecer no anonimato. Ela, como especialista em cristianismo primitivo, comentou que a não falsificação não indica que Jesus era casado.

“Esse fragmento de evangelho fornece uma razão para reconsiderar o que pensávamos que sabíamos, ao nos perguntar o papel que as declarações sobre o estado civil de Jesus desempenharam historicamente nas controvérsias cristãs sobre casamento, celibato e família”, disse King.

Para a historiadora, o trecho mostra que as mulheres poderiam ser discípulas de Jesus. “A questão principal do fragmento é afirmar que as mulheres que são mães e esposas podem ser discípulas de Jesus, tema que foi muito debatido no início do cristianismo, em um momento em que a virgindade celibatária se tornou cada vez mais valorizada”.

Professor de egiptologia acredita em falsificação

Na mesma revista em que a análise do papiro foi publicada, a “Harvard Theological Review”, o professor de egiptologia Leo Depuydt, da Universidade Brown, também escreveu um artigo refutando a originalidade do fragmento de texto.

Para Depuydt se trata de uma falsificação. “O fragmento do papiro parece perfeito para um esquete do Monty Python [famoso grupo de comediantes britânicos]”, disse ele.

O estudioso apontou erros gramaticais para as palavras “minha esposa” que praticamente foram enfatizadas em negrito. “Como um estudante de copta convencido de que o fragmento seja uma criação moderna, sou incapaz de fugir à impressão de que existe algo quase engraçado no uso das letras em negrito”, afirmou.

King porém não gostou da crítica e disse que não se trata de destaque, mas sim de letras borradas. Ela ainda refutou o professor dizendo que as letras abaixo estão ainda mais escuras. Com informações G1.




Deixe seu comentário!