MENU

Pastor é preso por segurar cartaz dizendo “Deus ama você e seu bebê”

Ele participava de manifestação pró-vida diante de uma clínica de aborto


Walter Hoye em manifestação.
Walter Hoye em manifestação. (Foto: Reprodução)

Como pastor, Walter Hoye entendia ser uma obrigação moral ministrar a mulheres que estavam pensando em fazer aborto. Em entrevista à CBN News, ele conta que “literalmente ouvi Deus falar comigo” sobre “ir mais fundo no movimento pró-vida”.

Hoye decidiu se tornar um “conselheiro na calçada” em Oakland, Califórnia, onde mora. Ele ia para a frente das clínicas de aborto e se oferecia para conversar com as mulheres sobre a interrupção (ou não) da gravidez.

Leia mais

Seguidamente empunhava um cartaz que dizia: “Deus ama você e seu bebê. Deixe-nos ajudá-la”. A resposta geralmente era positiva, garante.

Se as mulheres se aproximavam, ele oferecia ajuda. “Não importava se ela precisava de mantimentos ou remédio. Qualquer coisa, nós estávamos ali para ajudá-la”, lembra.

Um dia, quando estava em frente a uma clínica de aborto, o pastor foi preso. Utilizando uma lei municipal, o responsável pela clínica disse que Hoye estava “assediando” as mulheres e “invadindo propriedade privada”.

“Era como uma página do livro de Daniel”, assegura Hoye. “Daniel não era culpado de nada além de orar três vezes por dia. Eu estava simplesmente de pé, na calçada, segurando um cartaz, distribuindo literatura sobre um centro de atendimento de gravidez e conversando com elas. Acabei indo para a cadeia por causa disso.”

No novo livro escrito pelo jornalista Robert W. Artigo, Hoye narra como foram dramáticos os dias que passou na cadeia, enfatizando como o pastor pregou Cristo aos detentos em todo o tempo. “Tínhamos orações à meia-noite, como Paulo e Silas”, lembra.

Quando o caso chegou ao tribunal, a acusação contra Hoye acabou sendo anulada. Ele não deixou de militar no movimento pró-vida. “Queremos enviar uma mensagem à Igreja”, destaca. “Entendemos que o aborto é absolutamente errado e deveríamos estar falando mais contra isso”, encerrou.



Assuntos:


Deixe sua opinião!