“Pastor robô” cita trechos bíblicos e abençoa fiéis

O BlessU-2 abre debate sobre o potencial da inteligência artificial para a fé


"Pastor robô" cita trechos bíblicos e abençoa fiéis

Cinco séculos após Martinho Lutero dar início à Reforma Protestante, fazendo um pedido radical para que as igrejas voltassem à Bíblia e desafiassem a tradição humana imposta pela Vaticano, a cidade alemã de Wittenberg testemunha um novo desafio à fé.

Um “pastor robô”, programado para dar a benção em cinco línguas diferentes e ler trechos da Bíblia, foi apresentado pela Igreja Protestante de Hesse-Nassau. Ele não substituirá nenhum líder religioso, mas pretende servir como estímulo para um debate sobre o futuro da Igreja e o potencial da inteligência artificial para a fé.

Batizado de BlessU-2 [algo como “abençoo você também”], por seu criador Stephan Krebs, ele foi uma das atrações de um evento em Wittenberg que marca o aniversário de 500 anos do início da Reforma, entendido hoje como um movimento religioso, político e cultural que ajudou a moldar a Europa moderna.

“Nós queríamos que as pessoas pensassem sobre a possibilidade de serem abençoadas por uma máquina, ou se o ser humano realmente é necessário”, afirmou Krebs em entrevista ao jornal The Guardian.

A máquina possui no peito uma tela sensível ao toque, além de dois braços e uma cabeça. Os fiéis podem selecionar se desejam ouvi-lo falar alemão, inglês, francês, espanhol ou polonês, podendo optar por uma voz masculina ou uma feminina.

O robô levanta os braços, suas mãos acendem e ele recita versos bíblicos, sempre encerrando com a frase: “Deus te abençoe e proteja”. Suas palavras podem ser impressas, caso o fiel deseje. Existe também um robô sobressalente, idêntico, caso o BlessU-2 apresente algum problema.

“A ideia é provocar o debate”, sublinha Krebs. “As pessoas demonstram curiosidade, espanto e interesse. Elas estão realmente participando, e o retorno é muito positivo. Mas dentro da Igreja, algumas pessoas pensam que pretendemos substituir os pastores pelas máquina. Esses são nossos únicos críticos”.

Krebs e seus colegas estão coletando as respostas do público para análises futuras, mas ele não acredita que os robôs sejam a solução para a falta de sacerdotes na maioria dos países europeus.

Um robô “nunca poderia substituir o cuidado pastoral”, assegura. “Também não queremos robotizar o trabalho da Igreja, apenas ver se podemos levar uma perspectiva teológica para uma máquina”, insiste o inventor.

O BlessU-2 é o primeiro robô conhecido que poderia fazer o papel de líder cristão, mas no ano passado um robô foi apresentado em um templo budista em Pequim. Ele cantava mantras e explica os pontos principais do budismo.




Deixe seu comentário!