Polícia prende suspeito de matar pastor por assento de ônibus

O acusado tem 23 anos e confessou o crime. Ele atingiu o pastor com uma espada que levava na bolsa


(Foto: Raquel Morais/G1)
(Foto: Raquel Morais/G1)

O ex-fuzileiro naval suspeito de agredir o pastor de 40 anos por causa de um assento de ônibus foi preso pela Polícia Civil do Distrito Federal na última terça-feira (16).

O acusado foi identificado através das câmeras de segurança das rodoviárias de Taguatinga e Goiânia (GO) que mostram o suspeito andando tranquilamente com uma bolsa nas costas. Acredita-se que a espada usada para matar o pastor e outras facas estavam dentro da mochila.



De acordo com o delegado Moisés Martins o homem preso confessou o crime e deu detalhes do que aconteceu no último dia 7 quando o ônibus chegou em Taguatinga. “O primeiro golpe foi de cima para baixo, já arrancando o globo ocular. Depois, houve mais seis golpes na cabeça”, relatou o delegado.

A vítima era o pastor evangélico Alessandro Veloso Pires que morreu no último sábado no Hospital de Base de Brasília após perder o olho direito e parte da massa encefálica.
Alessandro viajou de Goiânia com destino à Taguatinga acompanhado de dois filhos, um de 5 e outro de 12 anos. Ele comprou dois assentos, mas um deles estava ocupado pelo suspeito.

“Meu pai falou que o cara podia ficar lá, que tinha outras poltronas vazias. Simplesmente isso, não teve diálogo, discussão, não teve nada”, afirma Patrick Lucas Pires, filho mais velho da vítima.



Patrick é militar e no dia se apresentaria no desfile do feriado da Independência do Brasil. O pai e os irmãos viajaram apenas para assisti-lo. As testemunhas do crime disseram em depoimento que o agressor foi para cima do pastor assim que o ônibus estacionou na rodoviária de Taguatinga. Alessandro estava com o filho de 5 anos no colo durante o primeiro golpe, a criança só não se feriu porque um passageiro a pegou no colo.

O suspeito tem 23 anos e mora em Anápolis. Segundo o delegado ele não tem passagem pela polícia. O ex-fuzileiro naval foi autuado por homicídio e pode pegar até 30 anos de prisão. Com informações G1.




Deixe seu comentário!